A era do sucesso a qualquer preço


A psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva acaba de publicar o livro Mentes Ansiosas: medo e ansiedade além dos limites (Ed. Fontanar). Nesta entrevista, ela fala das mudanças sociais que tem transformado o trabalho numa fonte de estresse e angústia.

Revista Você S/A  

Você S/A - Quais mudanças na forma como lidamos com o trabalho explicam os altos níveis de ansiedade?

Ana Beatriz Barbosa Silva  - Há pouco mais de duas décadas, quando Domenico de Masi publicou O Ócio Criativo, supúnhamos que estávamos entrando em uma era em que a tecnologia nos ajudaria a ter mais tempo livre. Esperávamos um período de maior bem-estar físico e psíquico e com maior espaço para a felicidade. Mas não foi isso o que aconteceu. O que temos visto é que prevaleceu a crença de que um pode fazer o trabalho de dez com o ampa­ro tecnológico. A evolução tecnoló­gica também favoreceu o consumis­mo, ao baratear o custo de produção dos objetos. Nesse contexto, as pes­soas passam a ser avaliadas não por suas ideias, mas pelo que podem comprar. Em prol de um padrão de vida ideal, o profissional passa a trabalhar mais e mais horas, sem perceber, abrindo mão da saúde, da vida pessoal, e se en­chendo de ansio­líticos e outros medicamentos para dormir a fim de dar con­ta de todas as demandas. As novas gerações já não sabem o que é dar um significado pessoal ao trabalho.

Você S/A - Por que recorrer aos remédios para aliviar o problema não é produtivo no longo prazo?

Ana Beatriz Barbosa Silva  - O remédio aumenta artificialmente a tolerância à ansiedade. Para assu­mir mais e mais responsabilidades, a tendência é aumentar a dose de medicação. Só que isso tem um cus­to sobre nossa capacidade criativa. A maior parte dos ansiolíticos atua no hipocampo, um dos centros de memória do cérebro, afetando a ca­pacidade de adquirir e registrar in­formações. Paralelamente, embora os sintomas da ansiedade desapare­çam por causa do remédio, o cortisol, hormônio do estresse, continua em ação. Em níveis elevados, ele é ex­tremamente tóxico para as células nervosas do cérebro, principal­mente as do hipocampo. Como nossa criatividade depende da habilidade dos nossos neurô­nios de combinar de diferentes formas as informa­ções que adquirimos, nossa capacidade criati­va fica comprometida.

Você S/A - Quais são os efeitos de longo prazo de um estresse mal administrado?

Ana Beatriz Barbosa Silva  - Fobias, pânico e sintomas ob­sessivos decorrentes de rituais de organização que geram estres­se são algumas das consequências mais comuns. Como o cortisol, hor­mônio do estresse, altera o meta­bolismo do açúcar, também é comum ver pessoas desenvolvendo compulsão alimentar, principalmen­te por doces e chocolate. A depressão é a consequência do estresse em nível mais avançado, quando a pessoa já nem consegue mais ir ao trabalho. Isso sem falar nos efeitos nocivos à saúde, como alergias de fundo ner­voso, hipertensão e disfunções hor­monais - por exemplo, problemas na glândula tireoide entre as mulhe­res e redução dos níveis de testoste­rona entre os homens.

Você S/A - As mulheres são mais suscetíveis aos transtornos de ansiedade? Porquê?

Ana Beatriz Barbosa Silva - As mulheres são, por natureza, mui­to mais suscetíveis a esse tipo de problema. Os hormônios femininos, responsáveis pela criação de víncu­los afetivos, por si sós deixam as mulheres mais vulneráveis às preo­cupações. Como se não bastasse, o organismo da mulher tem tido de se adaptar a mudanças comportamen­tais drásticas nos últimos 50 anos, quando a presença delas no mercado de trabalho se tornou marcante.

Você S/A - Como devemos lidar com o trabalho?

Ana Beatriz Barbosa Silva - Ser feliz profissionalmente deveria ser sinônimo de trabalhar em algo que dá um significado maior a sua vida, de ser uma extensão de suas melhores qualidades, e não sinônimo de ser bem-sucedido. Quando você trabalha apenas para manter o sta­tus, o trabalho deixa de ser uma fonte de realização pessoal e satis­fação. E o pior é que essas pessoas não aproveitam os bens que traba­lham tanto para manter.

• Para refletir

Quando a ambição por sucesso na carreira se torna um problema.

No primeiro semestre, 21 273 trabalhadores tiveram de se afastar do trabalho por causa do abuso de substâncias psicoativas, aquelas que atuam no sistema nervoso central afetando o comportamento e a cognição. Esse índice representa um crescimento de 22% em relação ao mesmo período de 2010. Mas o abuso de drogas lícitas e ilícitas não tem impacto apenas sobre o nível de absenteísmo nas empresas. Ele também pode comprometer o desempenho. "Essas substâncias afetam a memória e a criatividade", diz o médico Alberto Ogata, presidente da Associação Brasileira de Qualidade de Vida. Veja o que dizem outros três profissionais sobre os males do trabalho em excesso.

"É cada vez mais comum que as empresas coloquem pessoas muito jovens em cargos de gerência e direção, que exigem muita res sponsabilidade. As companhias querem funcionários a quem possam dar metas e cobrar resultados cada vez maiores. E os jovens aceitam esse desafio por ambição, para se manter numa posição de prestígio."  Marilda Lip. presidente da Associação Brasileira de Estresse.

"As pessoas só estarão menos vulneráveis ao estresse do trabalho se não associarem seu conceito de felicidade ao sucesso profissional. Há um narcisismo, uma necessidade de buscar o próprio sucesso para satisfazer o ego. É um modelo que leva à implosão da vida pessoal e, como o cotidiano do trabalho é cheio de decepções, é altamente frustrante." Jean Bartoli, filósofo francês e consultor de carreira.

"As grandes perguntas são: qual o seu conceito de felicidade? Esse conceito é coerente com a vida que você vem levando? Seus objetivos pessoais estão alinhados com os objetivos que a empresa tem para você? É preciso refletir sobre essas questões, pois só assim será possível avaliar o custo da decisão de se esconder da insatisfação com a vida profissional atrás do álcool ou dos remédios." José Valério Marcucci, consultor de carreira.

    Administração do Tempo

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus