A Raiva Pode Matar


Novos estudos sobre a relação entre a mente e as doenças do coração mostram como o temperamento pode encurtar ou prolongar a vida.

Revista Época - Por A.J.S. RAYLA

O pesadelo começou em 1996, quando o bebê de 11 meses de Sally Clark, Christopher, foi encontrado morto em seu moisés. Sally e seu marido, Steve, advogados de Essex, na Inglaterra, decidiram ter outro filho. Catorze meses depois, o bebê Harry, de 8 semanas, desmaiou na cadeirinha e morreu. Sally Clark foi acusada de ter matado seus bebês e foi sumariamente mandada para a prisão. Enquanto enfrentava o julgamento por assassinato, descobriu que estava grávida. A criança nasceu e foi enviada para um lar temporário. Sally foi condenada por assassinato com base num testemunho cheio de erros. A sentença: duas prisões perpétuas.

Em 2003, a Justiça finalmente foi feita. Sally foi libertada. As teorias do médico responsável por sua condenação foram questionadas e seu diploma cassado. Logo que voltou para casa, a advogada percebeu que a vida nunca mais seria normal. Ela sofria períodos de depressão e alterações de humor. Era assombrada pelas memórias do tempo que passou na prisão. Quase não saía de casa. Em março, aos 42 anos, Sally Clark morreu de repente.

"A causa da morte foi coração partido", seus amigos disseram aos tablóides, que cobriram a saga de Sally desde o início. Apesar de a causa exata da morte ainda estar sendo investigada, a idéia de que alguém pode morrer de estresse prolongado e extremo pesar sempre foi instigante.

A crença popular tem sido reforçada por cientistas que estudam a ligação entre o coração e a mente. Nem todos os pensamentos negativos fazem mal à saúde, mas alguns estados emocionais - principalmente o estresse e a depressão - estão relacionados a vários problemas cardíacos. Há evidências muito fortes de que o coração sofre um baque depois de traumas psicológicos como o de Clark. Insultos menores, no entanto, também podem causar prejuízos. Um casamento ruim, um chefe irritado ou injusto, um assalto. Tudo isso eleva o risco de doenças cardíacas. Novas descobertas sugerem que até formas brandas de depressão e iritação podem nos colocar em risco.

• A conexão biológica entre o coração e a mente

Como podem padrões negativos de pensamento e sentimentos "penetrar no corpo" de forma a alterar a saúde de uma pessoa? Como o coração e as emoções estão ligados? O psicólogo Gregory Miller, da Universidade da Colúmbia Britânica, identificou a inflamação como uma "rede biológica" que interliga o estresse emocional e as doenças do coração em um vaivém sem fim.

No curto prazo, ele explica, o estresse tem uma finalidade: ao iniciar a inflamação, mobiliza as células imunológicas do corpo para eliminar uma infecção e curar um ferimento. Mas, quando o estresse é prolongado, o mecanismo da inflamação funciona sem parar. Ao longo do tempo, as moléculas inflamatórias podem atuar no cérebro, provocando apatia, isolamento social, fadiga e mudança de hábitos alimentares. "Apesar de os sintomas serem muito semelhantes aos da depressão e estarem sendo considerados como tal, ainda não temos certeza se é a mesma depressão detectada pelos psiquiatras", diz Miller. Qualquer que seja o rótulo final, pacientes de coração que têm esses sintomas depresssivos e não são tratados vão ver sua doença cardíaca progredir mais rápido.

"Estresse crônico e acontecimentos com determinadas cargas emocionais podem dar início a um processo inflamatório que arrasta as pessoas tanto para o caminho da depressão como para o das doenças cardiovasculares", afirma Miller.

• Como proteger o temperamento pode proteger o coração

Nos últimos anos, os cardiologistas identificaram um padrão de comportamento de alto risco: o dos estourados, aquelas pessoas que ficam irritadas e "explodem" por qualquer coisa. Pior ainda é o comportamento colérico. Alguns indivíduos têm uma irritação latente, se descontrolam diante de mínimas provocações e respondem agressivamente sem hesitar.

Em vários estudos realizados a partir de 2000, os pesquisadores descobriram que esse tipo de comportamento contribui para o entupimento das artérias e para o derrame. As pessoas mais raivosas têm um risco duas vezes mais elevado de sofrer esses problemas do que quem tem um temperamento normal.

Atualmente os pesquisadores dizem que outros tipos de personalidade podem influenciar o funcionamento do coração. Quem é otimista e receptivo pode ter um coração mais saudável do que quem é pessimista ou tímido. A psicóloga Lama Kubzansky, da Universidade Harvard, diz que estados como falta de esperança e até tendência para ruminar os problemas e se preocupar demais estão associados a doenças do coração.

Em um estudo, pesquisadores holandeses pediram a crianças extrovertidas e introvertidas para se concentrar em algumas tarefas. As extrovertidas se distraíam com informações irrelevantes e tinham mais dificuldade para se concentrar. As introvertidas ignoraram o que era irrelevante. Atingiram um nível de concentração superior. Apesar de terem se saído melhor nesse teste, a análise do ritmo cardíaco das introvertidas apontou um problema. Elas estressavam mais o coração quando alguma coisa as distraía.

Outro sério inimigo do coração é a depressão. Para quem já te em doença cardíaca, ela pode representar um risco grave. Cientistas da Duke e da Universidade da Carolina do Norte descobriram que pacientes com insuficiência cardíaca correm risco de ir para o hospital ou de morrer 50% mais elevado se também estiverem deprimidos. O psicólogo médico da Duke, Andrew Sherwood, principal pesquisador do estudo, diz que a depressão pode ser tão importante para gente com problemas cardíacos como fatores de risco tradicionais como colesterol e hipertensão. Entre as explicações para as descobertas, diz Sherwood, pode estar a capacidade do coração de reagir ao estresse diário. Ou a possibilidade de que pacientes deprimidos não sigam corretamente os tratamentos médicos. Ou ainda a hipótese de que os deprimidos não aderem a hábitos saudáveis como emagrecer e parar de fumar.

Nem todos os que têm uma doença do coração podem apontar um agente emocional. Quando fatores emocionais estão na raiz do problema, no entanto, um ataque cardíaco pode ser mais provável. Em homens que tiveram um ataque cardíaco provocado por emoções como raiva e estresse, a pressão sanguínea e a atividade do coração demoraram mais para voltar ao normal que naqueles sem um envolvimento emocional prévio, de acordo com um estudo liderado por Andrew Steptoe, cardiologista da University College London. "Algumas pessoas são mais suscetíveis a ataques cardíacos por causa da forma como respondem biologicamente quando confrontadas com uma situação socialmente exigente", diz Steptoe.

• Choque repentino: o custo do pesar e da perda

O marido morreu de repente em setemmbro de 1993. Poucas horas depois, a mulher de 70 anos deu entrada no pronto-socorro em Rennes, na França. Tinha fortes dores e contrações no peito, sudorese, náuseas e vômitos quando desmaiou. Alguns anos depois, outra mulher, de 50 anos, apareceu no mesmo pronto-socorro. Seus sintomas eram parecidos e sua história também estava marcada pelo pesar. Seu filho havia se matado algumas horas antes. As duas foram tratadas e sobreviveram. Estranhamente, nos meses seguintes, não mostraram nenhum sinal de que o tecido do coração houvesse sofrido algum dano ou que tivessem algum tipo de doença arterial coronariana.

Casos como esses intrigam os médicos há muito tempo. Recentemente, porém,o mistério parece ter sido solucionado. O fenômeno, muitas vezes provocado por estresse ou choque repentino - como a morte de uma pessoa querida -, causa sintomas parecidos com os de um ataque cardíaco comum, incluindo falta de ar e dores no peito, fluido nos pulmões e, por fim, insuficiência cardíaca. A capacidade do coração de bombear o sangue fica muito prejudicada, mas o tecido não sofre danos e as artérias não estão entupidas, como acontece nos casos de doença cardiovascular. Quando o paciente é tomado pelo pesar, o fluxo sanguíneo toma-se anormal. O "coração partido" agora é reconhecido pela medicina e recebeu um nome complicado: cardiomiopatia induzida pelo estresse.

"A síndrome do coração partido tem se tomado mais freqüente nos Estados Uniidos", diz o cardiologista da Clínica Mayo Chet Rihal, que comandou o maior estudo sobre o problema até hoje. "É diferente do estresse crônico, em que a pessoa tem problemas no trabalho ou em casa. A síndrome é provocada por um estresse agudo, por um choque forte e repentino", afirma. Rihal acha que o estresse extremo pode provocar uma descarga de adrenalina, danificando pequenos vasos sanguíneos e fazendo os músculos do coração parar. Algumas pesssoas parecem ser especialmente suscetíveis: por volta de 10% dos pacientes com o coração partido têm outro ataque similar.

A linha de pesquisa que relaciona a saúde emocional e a saúde do coração ainda está no início. A mensagem, no enntanto, é clara: proteger o coração pode depender de atitudes tão simples quanto evitar uma briga, deixar um emprego chato ou amenizar a raiva correndo em volta do quarteirão. Essas mudanças de comportamento podem salvar vidas.

• Como preservar o coração

O desgaste psicológico, especialmente se for crônico ou extremo, pode acarretar sérios danos ao coração. Alguns cuidados ajudam a combater o problema:

1 - Evite se irritar. Em vez de entrar num bate-boca,saia da sala
2 - Adote medidas antiestresse todo dia.Faça ioga, converse com um amigo, caminhe.
3 - Compense o excesso de pressões no trabalho arranjando tempo para o prazer .
4 - Procure ajuda para livrar-se da depressão, mesmo que ela seja aparentemente leve.

    Administração do Tempo

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus