A Voz Dentro da Cabeça


Eckhart Tolie vendeu 10 milhões de livros no mundo. Sua mensagem? Somos escravos da mente - e a paz de espírito nada mais é do que a consciência livre de pensamentos.

Revista Época Negócios - por Geraldino Vieira

Quase 1 milhão de pessoas em todo o mundo participaram daquela que é uma das maiores ex­periências de comunidade virtual já reunidas pela internet. um curso, com trans­missão ao vivo e recursos de interatividade, ao longo de dez semanas (uma hora por semana). Por trás dessa mobilização estava a apresenta­dora americana de TV Oprah Winfrey. Dife­rentemente do que se poderia imaginar, essa gente toda não estava aprendendo sobre como se tornar uma celebridade, nem como transformar uma ideia de garagem em US$ 5OO milhões, e muito menos sobre mil e uma maneiras de agradar aos acionistas em tempos de cólera. A atração apresentada por Oprah tem um corpo franzino, uma voz que é quase silêncio e olhos de grande quietude. Alemão, ex-supervisor de pesquisas na Universidade de Cambridge (In­glaterra), Eckhart Tolle, autor do best-seller O Poder do Agora, é atualmente, no Ocidente, um dos mais populares mestres espirituais vivos. No caso dele, ser um best-seller não o impede de ser também reverenciado por "buscadores" de longa estrada e mesmo por aqueles cuja caminhada é guia­da pelos consagrados gurus do Oriente. Tolle é reconhecido pela originalidade de sua reflexão e pela eficácia com que seus ensinamentos revelam os mistérios da realização espiritual.

• Uma nova consciência

Tolle conduz seus leitores a novos paradigmas sobre o que significa "mudança de consciência". Sendo Tolle um ocidental falando para ocidentais, se um dia che­garmos a compreender o que se mitificou chamar "ilumi­nação espiritual" (vista como exclusividade do Oriente) esse professor de Cambridge que se tornou mestre certamente será reconhecido por sua contribuição. Depois do indiano Osho, nenhum outro mestre havia falado de maneira tão adequada e em hora tão oportuna ao homem ocidental mo­derno. Tolle já vendeu quase 10 milhões de exemplares no mundo, sendo 310 mil no Brasil. O Poder do Agora, sua obra de estréia, foi traduzida para 33 idiomas, habitou o primei­ro lugar na lista de mais vendidos do The New York Times e vendeu 5 milhões de exemplares. Sem meias palavras, tem na capa o anúncio: "Um guia para a iluminação espiritu­al". Quem se arrepiou diante da frase não sabe o que está perdendo. Eckhart Tolle é mais um entre outros autores que têm suas obras classificadas no balaio de gatos da auto­ajuda, mas quem sabe descobrir pérolas nessas prateleiras já deu a sorte de encontrá-lo. É o caso de Regina Festa, consultora da Cepal/Chile e especialista em estratégia de infor­mação: "Ele é revelador, revolucionário. Desde que comecei a ler Tolle, minha visão sobre ensinamentos tornou-se mais clara, e os ensinamentos mais facilmente incorporaram-se ao dia-a-dia. Cresceu minha percepção de como se constro­em as emoções e isso permite, em última instância, livrá-Ias das fantasias desnecessárias que drenam nossa energia". O mais recente livro de Tolle lançado no Brasil consegue mais uma vez combinar densidade com simplicidade. Um Novo Mundo - O Despertar de uma Nova Consciência serviu de mate­rial orientador para as aulas-conferências com mediação de Oprah. O curso aconteceu no primeiro semestre deste ano, com direito a depoimentos de leitores - incluindo famosos, como o ator Jim Carrey - e perguntas enviadas por e-mail e webcam. Mas o que buscavam 1 milhão de pessoas acom­panhando Tolle nesses encontros virtuais? No primeiro programa do curso, Oprah buscou a resposta e ouviu que as pessoas estavam esgotadas e intrigadas com as angústias e os sofrimentos causados por "alguém" que conhecemos e que Tolle denuncia em seus livros: a voz dentro da cabeça.

"O filósofo Descartes acreditava ter alcançado a verda­de mais fundamental quando proferiu sua conhecida máxima "Penso, logo existo"", diz o autor. "No entanto, cometeu um erro básico: comparou o pensar ao ser." No entender de Tolle, quase to­das as pessoas são pensadoras compulsivas, "o que faz com que o mundo esteja povoado de conflitos". O fato, segundo ele, é que nos identificamos com os pensamentos, uma interminável e autôno­ma produção mental que gera conceitos, rótulos, imagens, cren­ças, palavras,julgamentos, ideologias e definições. Navegamos na ilusão de que somos essa voz dentro da cabeça, quando na ver­dade ela forma uma espécie de tela que bloqueia o fluir dos nossos relacionamentos. Por isso, não seria exagero observar que os pro­blemas de que queremos nos livrar são parte importante da identificação mental. Os outros precisam estar errados para você re­forçar a si mesmo, e essa é a raiz da violência que se expressa nas relações humanas. "Essa tela de pensamentos situa-se entre você e o seu eu interior, entre você e o próximo, entre você e a nature­za, entre você e Deus", diz Tolle. "Pensar tornou-se uma doença."

O sentido de separação sustenta-se na permanente comparação com os outros, estratégia que busca fortalecer a identidade pessoal. O autor aponta que "o pequeno ego diz que quer paz, mas busca encrenca". Acumular coisas e fazer ini­migos é a regra básica. Seu método é seduzir sempre com mais anseios e sensações de posse (meu cargo, minhas crenças ... meu pensamento). Como os desejos são insaciáveis, nunca se chega ao que sempre se considera o objetivo maior da vida. Paz  interior, alegria nos relacionamentos, harmonia com a natu­reza e satisfação material parecem meras utopias. Buda cha­mou esse anseio sem fim de & "a raiz do sofrimento humano".

Segundo Tolle, é por nós mesmos que estamos pro­curando, com mais experiências, mais comida, mais di­nheiro, mais sexo, mais conhecimento, mais poder. "É bela a procura de si, mas logo se percebe que não é em todas es­sas coisas que você encontrará a si mesmo". Logo se percebe que "isso não é o que eu sou". Por quê"? Porque a necessidade persiste, o sofrimento não cessa. "Mas quando acontece essa percepção, o eu fictício começa a perder poder sobre você." Para Tolle, a quietude, a chamada paz de espírito, é um esta­do de consciência livre de pensamentos. A questão é não es­tar compulsivamente agregando às circunstâncias da vida e às relações humanas infinitas histórias (pensamentos) de rejeição, ressentimentos, vingança, inveja, vitimização.

• Acordar no agora

Terapeuta formada na Índia, no Japão e na Coréia, Samvara Bodewig coordenou cinco retiros de "trans­formação pessoal" para quase duas centenas de líderes sociais e
empresariais parceiros da Fundação Avina na América Latina. "Para mim, a insistência com que Tolle aponta para estar no aqui e agora resultou numa mente mais quieta. Assim, sinto-me mais eficiente na resolução das tarefas diárias", afirma. Samvara vê o foco de Tolle no essencial da espiritualidade. "Pude experimen­tar que ele atua direto no sentido de abrir os corações e de fazer com que a consciência se volte para dentro de nós mesmos."

Mas como alcançar essa consciência livre de pensa­mentos? Tolle é objetivo em sua sugestão: "Saia da corrente da mente e acorde no "agora". O ensinamento central do autor está na realização do que ele chama de "presença do "ser" no "agora", Como os pensamentos estão geralmente visitando o passado (que é pura memória) e navegando rumo ao futuro (que é pura imaginação, daí tanta ansiedade e medo), nunca estamos no momento presente. Pare e repare: quantas vezes você se pega pensando por horas em algum fato do passado que lhe causou dor ou numa situação prazerosa que gostaria que se repetisse? Ou, então, perceba quantas noites foram vividas com tensão por causa da pré-ocupação mental sobre como você e os outros se comportarão, por exemplo, numa reunião de trabalho que está marcada para amanhã. Duas dicas para ajudar a perceber quando seus pensamentos estão no passado ou no futuro. A pri­meira éver se existe algo que você ainda pode fazer sobre o tema que o pré-ocupa. Caso veja que não, que resta esperar a hora da reunião, pare de imaginar. A outra dica: se, mergulhado naque­les pensamentos, você não está chegando a novas e criativas ideéias que tragam soluções aos temas em foco - ou seja, se quanto mais você pensa mais está perdendo energia - ,  saiba que caiu na trama dos pensamentos desnecessários, O dreno de energia é um sinal fatal. O ator Jim Carrey testemunhou, no programa de Oprah: "Percebi, por exemplo, o quanto perdia horas pensando de uma maneira que alimentava ressentimentos relacionados a determinada pessoa, pessoa que não estava diante de mim. Per­cebi o quão inútil é esse processo compulsivo de pensamento".

Uma nova dimensão de consciência abre-se quando sua atenção está no momento. "O agora é a única coisa que nunca o abandona, é onde a vida se realiza. A vida é sempre um eterno e contínuo agora", diz Tolle. Acolher o agora significa aceitar o que a vida apresenta, não especular, não acrescentar queixas às circunstâncias - mas recebê-Ias e estar melhor preparado para transformá-Ias. Na obra de Tolle, a boa notícia: sim, pode­mos nos libertar da ditadura de nossas mentes. Como? A mente pode ser um grande instrumento se usada corretamente, mas no estágio em que vivemos é ela quem nos usa - e essa é a doen­ça. Para Tolle, a liberdade começa quando percebemos que não somos "o pensador". Saber disso nos permite observar a entida­de que pensa e "no momento em que começamos a observar o pensador, já ativamos um nível mais alto de consciência". Uma maneira eficaz de parar o fluxo de pensamento é prestar atenção à respiração. Isso pode ser feito respirando profundamente e segurando o ar por instantes nos momentos extremos da inspi­ração e da expiração. Ou apenas colocando atenção no entrar e sair do ar. "O estado de quietude que isso permite faz com que as respostas sejam sentidas", diz o empresário Pedro Coe, dono em Brasília do Bálsamo Spa, dedicado à naturopatia. A consciência, portanto, estaria num nível acima dos pensamentos, no espaço não identificado com eles. Seria, ela própria, o espaço de harmonia, de amor e alegria. Não é à toa que em situações de crise busca-se promover mudanças de consciência. Tolle defende que precisa­mos estar enraizados num estado além do ruído men­tal. Para ele, chegamos a um ponto em que a mudança da consciência não é luxo. Um dia, diz, "você pode se surpreender sorrindo para a voz dentro da cabeça. Isso significa que não estará mais levando tão a sério o que vai pela mente, pois seu inte­rior não depende dela".

Nas livrarias

Além de O Poder do Agora e O Poder. do Silêncio, a editora Sextante já publicou Praticando o Poder do Agora e Um Novo Mundo - O Despertar de uma Nova Consciência. Para 2009, estão previstos dois lançamentos: um livro para crianças e outro que a editora não revela, mas que deve ser Stillness Amidst the World ("No mundo, mas em quietude", em tradução livre).

Na internet

No site oficial de Eckhart Tolle (www.eckharttolle.com) estão vídeos com trechos de suas conferências, além de sinopses e entrevistas. No site da apresentadora Oprah Winfrey (www.oprah.com),. na seção Spirit há vídeos com conferências de Tolle, exercícios e trechos do curso virtual.

> ("No mundo, mas em quietude", em tradução livre).

Na internet

No site oficial de Eckhart Tolle (www.eckharttolle.com) estão vídeos com trechos de suas conferências, além de sinopses e entrevistas. No site da apresentadora Oprah Winfrey (www.oprah.com),. na seção Spirit há vídeos com conferências de Tolle, exercícios e trechos do curso virtual.

    Administração do Tempo

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus