Ansiedade na entrevista: controle os nervos


Conheça os erros que a ansiedade causa durante uma entrevista de emprego e saiba como evitá-los.

Revista Você S/A - por Andrea Giardino

A entrevista de emprego é a etapa básica do pro­cesso de seleção, e numa empresa grande o can­didato passa por pelo menos três sabatinas antes de ser contratado. Embora comum, muita gente ainda perde o sono com a entrevista. Uma pes­quisa com 428 executivos realizada pela Maxim, firma de recrutamento de São Paulo, mostrou que 76% deles admitem que se deixam afetar pela ansiedade. Eles respondem às entrevistas de uma maneira pior do que seriam capazes e, em alguns casos, perdem a vaga por causa dos nervos - 6% declaram, inclusive, que aca­bam respondendo de maneira explosiva às indagações do recrutador. Confira a seguir os resultados da pesquisa, as falhas mais comuns e como evitá-Ias.

- Falar demais (31%)

Um dos erros mais comuns é dar a versão completa da história de vida. Procure ser conciso e concentre-se nas realizações mais importantes de carreira. "Ressalte os resultados obtidos para o negócio", diz Carlos Eduardo Altona, sócio da Exec, empresa de seleção de executivos de São Paulo. Iniciativas para cortar custos e inovações são informações que chamam a atenção do recruta­dor. Ele também deseja saber se você tem competência para liderar equipes e lidar com ambientes de pressão.

- Perder a linha de raciocinio (23%)

Dificuldade de organizar ideias é o segundo problema mais comum em entrevistas de emprego. Aquele instante em que "dá um branco" se encaixa aqui. O jeito de combater a confusão mental é preparar-se previamente. Antes da entrevista, relembre de algumas experiências anteriores que podem ser objeto da conversa. Simule a entrevista com um amigo ou com o cônjuge. "Quem se prepara chega mais seguro e minimiza o risco de se perder", diz Ricardo Basaglia, diretor da Michael Page.

- Falar pouco (16%)

Tímidos e introspectivos sofrem para se expor. Por insegurança, muita gente restringe suas respostas a um "sim" ou a um "não". Isso cansa o entrevistador. "Não dá para ficar tentando extrair informações a fórceps", diz Alexandre Attauah, gerente da Robert Half. Oferecer boas análises permite medir a habilidade de comunicação do profissional e sua capacidade de articular. Portanto, nada de respostas monossilábicas.

- Reagir a perguntas de forma explosiva (6%)

A mairoia dos recrutadores diz que nunca se deparou com um candidato estourado. Os casos assim são de pessoas que, o sentirem-se acuadas durante a entrevista, acabam reagindo de maneira exageradamente agressiva. A única dica possível é: controle-se. Ninguém vai contratar um profissional que estoura diante do primeiro sinal de pressão.

• Evite também

- Mentir ao justificar uma demissão.

Se você cometeu alguma falha na car­reira, assuma durante a entrevista. Re­crutadores costumam checar referên­cias, e a história pode aparecer.

- Dizer que não fez MBA por falta de tempo.

Tempo é matéria escassa para todo mundo. Se você disser que o excesso de trabalho prejudicou sua carreira em algum ponto, o recrutador vai compre­ender. A justificativa não vale, porém, para investimentos muito importantes, como um MBA. "Melhor dizer que pre­tende compensar essa falha", diz Célia Berardi, headhunter da Maxim.

- Faltar ao encontro.

Não tem nada pior do que faltar na en­trevista. Vai dar a impressão de que o candidato não possui comprometimen­to algum. "Se o profissional deixou a empresa na mão uma vez, certamente deixará outras vezes", explica João Paulo Camargo, sócio-gerenfe da Asap.

- Travar durante a entrevista em inglês.

Inglês é pré-requisito no mercado. Na entrevista, é preciso comprovar a fluência. Para Ricardo, da Michael Page, o ideal é treinar antes de ir para a entrevista ou até mesmo fazer algumas aulas de conversação. "Quanto mais preparado, melhor será seu desempenho na entrevista", diz.

    Oratória

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus