As vantagens do horário de Trabalho Flexível


Jornadas adaptáveis são uma benção para mulheres.

Jornal Folha de São Paulo - por Sylvia Ann Hewlett

Três anos atrás, eu examinei o que chamo de empregos "radicais", cargos que exigem que a pessoa trabalhe mais de 60 horas por semana e enfrente uma série de pressões. Os resultados foram notáveis. Esses empregos se tornaram surpreendentemente generalizados nos EUA. Em grandes corporações, por exemplo, quase a metade dos funcionários de alto escalão tinha empregos radicais. Vale salientar que , na época - no clima efervecente e expansivo de 2006 -, os empregos radicais tinham uma vantagem: os esforços sobre-humanos eram recompensados com bônus enormes. Essa vantagem diminuiu, mas não a desvantagem. Enquanto contracheques luxuosos murcharam na recessão dos EUA, o tempo ficou ainda mais apertado.

As semanas de trabalho mais longas e o desaparecimento dos horários flexíveis foram especialmente duros para as mulheres. Os homens foram prejudicados desproporcionalmente pelas demissões nesta crise, e as mulheres não tiveram opçõa senão trabalhar mais.

Um certo alívio está chegando para ambos. Se há um lado positivo na recessão, é que as empresas inteligentes estão começando a transformar o tempo em uma ferramenta para atrair, manter e envolver pessoas altamente talentosas, dos dois sexos.

Em janeiro, a gigante de contabilidade KPMG, na tentativa de economizar na folha de pagamentos sem se perder empregados valiosos, lançou o programa "Futuros Flexíveis", que ofereceua 11mil profissionais nas operações britânicas da KPMG as seguintes opções: uma semana de trabalho de quatro dias com um corte de 20% no salário; miniférias com pagamento de 30%; as duas opções combinadas; ou os funcionários podiam manter seu horário atual.

O programa teve sucesso. Mais de 80% dos funcionários da firma (homens e mulheres) foram voluntários para adotar uma das opções flexíveis. Isso permitiu que a KPMG mantivesse os empregos enquanto cortava custos.

É uma boa notícia para as mulheres. Mães e filhas muitas vezes pagaram um preço alto pelo "tempo paradas".  Uma profissional que voluntariamente deixa o emprego por alguns anos para cuidar de um filho ou de um parente idoso pode perder 18% de seu poder de ganho durante a vida, segundo minha pesquisa.

Quando uma mãe dona de bo desempenho profissional pode reduzir sua jornada de trabalho para quatro dias e ser honrada por essa opção, em vez de demitida, é sinal de que estamos rumando para um futuro diferente.

 

 

    Administração do Tempo

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus