Methodus - Leitura dinâmica, Administração do tempo e Oratória Contatos Imediatos - Methodus

Contatos Imediatos


As empresas aderiram de vez as redes sociais para contratar até mesmo profissionais para os cargos estratégicos. Saiba por que você deve ter seu perfil online.

Revista Você S/A - por Andrea Giardino

Cada vez mais profissio­nais são contratados pelo Linkedln. Nos últimos dois anos, grandes empresas, como Vivo, Ambev, Oi, SAP, Vale, Ernst & Young Terco e GVT, renderam-se às redes sociais, transformando-as em grandes alia­das não só para agilizar os processos de seleção como para encontrar can­didatos, até mesmo para cargos es­tratégicos. Uma pesquisa realizada em 12 países pela Robert Half, especializada em seleção de executivos, mostra que as organizações no Bra­sil são as que mais utilizam as redes sociais para contratar, a exemplo do Twitter, Linkedln e Facebook.

Na GVT, operadora de telecomu­nicações que tem uma média de 500 contratações por mês, duas posições de gerente foram preenchidas por profissionais captados no Linked­ln. Embora use as redes sociais há pouco mais de um ano, a compa­nhia possui uma política bem defi­nida na busca por candidatos pela in­ternet. Espalhados pelas principais redes sociais, seus profissionais de RH estão presentes em grupos liga­dos às suas respectivas áreas de atuação. "Tem gente em TI, telecom e finanças com o objetivo de achar can­didatos", diz George Bettini, geren­te sênior de RH da GVT.

A Vivo, que tem entre suas prin­cipais fontes de recrutamento o Linkedln, também adota as redes sociais para encontrar profissionais de nível gerencial. Seu principal al­vo são perfis técnicos, os quais exi­gem um processo mais rigoroso de contratação. Nesse caso, o fato de a empresa ter acesso a mais informa­ções do candidato na rede, com re­comendações feitas por ex-colegas e projetos já desenvolvidos, facili­ta a pré-seleção. Tanto que 35% das vagas acabam sendo publicadas no Linkedln e no Twitter.

Para Luiza Zacharias, gerente de RH da Predicta, consultoria especia­lizada no comportamento dos con­sumidores nos meios digitais, uma das vantagens das redes sociais é obter informações e referências so­bre os candidatos. A ferramenta é adotada numa primeira etapa, aju­dando a achar perfis próximos ao desejado. "Conseguimos acelerar a fase de seleção dos currículos por ter uma prévia das características, habilidades e gostos do candidato", explica. Quem não se encaixar já fica de fora, elirninando o traba­lho e tempo gasto, comuns nos pro­cessos de recrutamento tradicional.

• No radar dos recrutadores

"As redes sociais são uma alternativa para quem quer estar no radar dos headhunters", diz Jorge Martins, es­pecialista em recrutamento da Ro­bert Half, que também recorre às mídias sociais para divulgar as po­sições em aberto. Mas, ao contrário do que se pensa, criar um perfil no Linkedln e deixá-lo lá não significa que irão descobri-lo assim tão fácil em meio a milhares de pessoas.

"Para se destacar nas buscas feitas por empresas e headhunters, o pro­fissional deve participar de discus­sões em grupos ligados à sua área de atuação, atualizar com posts seu blog pessoal, publicar artigos e fa­zer comentários interessantes no Facebook", diz Jeff Paiva, especia­lista e professor de mídias sociais da Faap, em São Paulo.

Quanto maior for o número de pessoas em sua rede, melhor será a imagem que as empresas e os recrutadores terão de você. "Esta é uma forma de saber a capacidade que o profissional tem de se relacionar no mercado", explica Luiza Zacharias, da consultoria Predicta. Recomen­dações feitas por ex-colegas de tra­balho e ex-chefes no Linkedln tam­bém são um diferencial, por dar cre­dibilidade ao histórico do candida­to. O critério é levado tão a sério que nos próprios anúncios de emprego do Linkedln a preferência é por pro­fissionais bem avaliados.

Outra dica é reunir as informações do currículo de forma simples e ob­jetiva, com um breve resumo das ati­vidades desenvolvidas, experiência profissional e formação acadêmica. "De preferência, também coloque em inglês o resumo do currículo, o que mostrará seu domínio no idioma", diz George Bettini, da GVT. Quando não se conhece o contato que deseja ter em sua rede, o ideal é pensar nu­ma estratégia para abordá-lo. Pedir apenas para que a pessoa o inclua não funciona. Mandar uma men­sagem se apresentando ou falando por que deseja fazer parte da lista de contatos daquela pessoa pode ajudar a alcançar sua meta.

• Como usr as redes sociais a seu favor

Alguns cuidados ao administrar seu perfil podem garantir melhores retornos dos recrutadores.

1 - Mantenha seu perfil sempre atualizado. 
2 - Utilize no currículo palavras­ chave que tenham relação com sua área de atuação para ter destaque. 
3 - Amplie seu networking com contatos que possam ser de seu interesse, como diretores de RH. 
4 - Tenha o maior numero possível de recomendações de ex-chefes e ex-colegas de trabalho. 
5 - Participe de grupos de discussão ligados a sua área que o levem a expressar seu conhecimento. 
6 - Crie um blog com posts atualizados sobre assuntos.

• Erros fatais

Todo cuidado é pouco na hora de colocar as inormações na internet. Veja algumas dicas ao elaborar seu perfil online:

- Atenção com as informações colocadas no seu profile. Tan­to as empresas quanto os re­crutadores afirmam que pes­quisam os nomes dos candi­datos no Google. 
- Detalhes sobre intimidades, nem pensar. Fuja ainda de brin­cadeiras ou piadinhas de mau gosto relacionadas a sexo ou a questões raciais. 
- Nada contra usar o Face­book para contatos pessoais e ali colocar fotos das férias na praia", diz Jorge Martins, da Robert Half. Vale lembrar que a empresa terá acesso e, se o candidato tiver um comporta­mento diferente do desejado, a pessoa corre o risco de ser descartada. 
- Evite mentiras. É importan­te manter a veracidade dos dados, porque sua procedên­cia será checada num segun­do momento.
- Fuja de excessos, como pedir nas recomendações dos con­tatos da sua rede que ressal­tem suas qualidades pessoais, ou emitir opinião em qualquer discussão que aparecer pela frente. "Não pega bem querer aparecer o tempo todo", afir­ma Jeff Paiva, da Faap.

    Oratória

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus
Methodus