Cuidado! Puxadas de tapete corporativas


Estudo com 400 gestores brasileiros mostra quais são as puxadas de tapete mais comuns e aquelas que mais doem nos profissionais brasileiros. Saiba como se defender delas.

Revista Você S/A - por Amanda Kamanchek

Trabalhar em equipe e de forma transparente são com­portamentos cada vez mais cobrados dentro das orga­nizações. Mesmo assim, os golpes baixos e as puxadas de tapete continuam a ocorrer em relacionamentos profissionais. De acordo com uma pesquisa com 400 gestores realizada em agosto pela Produtive, empresa de recolocação e planejamento de carreira, descobrir que um colega confiável fala mal de você é o tipo de jogo sujo mais comum no ambiente de trabalho, tendo sido vivenciado por 51 % dos entrevistados. Quase tão comum é a falta de reconhecimento por parte do chefe. Segundo o levantamen­to, 49% dos entrevistados já estiveram diante da situação em que fazem tudo certinho mas o chefe não dá o devido crédito, assumindo toda a fama pelo resultado. Em terceiro lugar na lista de puxadas de tapete ficou o roubo de ideias entre co­legas. É a situação na qual um colega apresenta para a chefia uma ideia como se fosse dele. Uma trapaça típica do profis­sional desatuatizado que acredita que roubar ideias seja uma ferramenta de competição.

No mundo corporativo existe uma disputa de poder constante, o que leva algumas pessoas a crer que abusar de atitudes antiéticas em prol do próprio sucesso é um comportamento aceitável. "Tal ideia é ultrapassada e está ligada à concepção de que mundo é dos espertos", diz Bernard Entschev, presidente da De Bem Entschev, consultoria de RH, de São Paulo. Os motivos que levam a essa conduta variam da insegurança à desonestidade, passando pela leviandade dos envolvidos. Os golpes podem vir de colegas competitivos e inseguros ou de chefes arrogantes. "Alguns gestores acham que somente eles podem aparecer, atingir resultados e propor ideias", afirma Bernardo. Podem ser apenas mal-entendidos ou ações intencionalmente vis.

A pesquisa também avaliou quais são as puxadas de tapete consideradas mais graves. A campeã nesse quesito é ser demitido para que o chefe coloque uma pessoa da confiança dele no lugar. Esse tipo de politicagem desleal ainda ocorre nas organizações, apesar de toda a evolução na gestão corporativa. Em geral, isso ocorre quando um gestor inseguro ou desleal prefere ter a seu lado alguém que possa controlar, o quando deseja deliberadamente beneficiar um amigo. A insegurança do chefe também aparece como estopim para uma traição. Quando o funcionário começa a apresentar metas elevadas, o chefe, no lugar de ficar satisfeito, pode se sentir ameaçado. Nesse momento, surgem outras formas de puxadas de tapete como excluir o profissional de um projeto sem maiores explicações impedi-lo de exibir seu trabalho o fazer com que ele não tenha acesso aos níveis superiores.

Um sintoma desse tipo de atitude é a exclusão. Marginalizar um subordinado é uma das armas tradicionais dos chefes. "Essa é uma das situações mais usadas para que o profis­sional se sinta fragilizado e peça demissão ou transferência", diz Mar­shal Raffa, gerente da Ricardo Xa­vier, empresa de recrutamento, de São Paulo. "Lidar com uma situação dessas não é fácil, mas a melhor so­lução é agir com calma e tentar en­tender o motivo do gestor, perguntando, em tom de conciliação, o que acontece", diz Marshal.

Para evitar logo de início ser vítima de uma puxada de tapete é importan­te se impor de forma natural, sem arrogância, mas deixando claros seus valores. Acima de tudo, evite entrar no jogo desleal, principalmente quan­do for provocado ou agredido. "Não diga "sim" para tudo, imponha limites morais e éticos", diz Bernardo. A se­guir, confira como resolver cada um dos conflitos apontados na pesquisa.

• Verdades sobre a traição

Análise de RafaelSouto, CEO da Produtive e autor do estudo.

- Expectativa de mérito.

As pessoas têm sempre expec­tativa de viver numa meritocra­cia. Quando isso não acontece e preferências pessoais ou po­líticas predominam, tem-se a sensação de puxada de tapete.

- O profissional tem o poder.

Durante muitos anos a escas­sez de empregos fez as pessoas se sujeitarem a condições con­sideradas injustas. Agora, os profissionais estão menos to­lerantes a injustiças e tenta­rão mudar de emprego se tive­rem a oportunidade. Mas é im­portante não ser ingênuo: não existem empresas perfeitas.

- Política existe, aceite.

Achar que tudo é meritocracia é estar fora da realidade, pois todos sabemos que as organizações, como a vida em geral, segue necessaria­mente motivações políticas. É importante ser tolerante com certos aspectos que não são eminentemente técnicos.

- Avalie o cenário, mas rejeite o excesso.

Avalie se a má po­liticagem faz parte da cultura da empresa ou se seu caso foi uma ação desleal isolada de um indivíduo. Se uma pessoa reclama, pode ser um proble­ma particular. Se dez pessoas reclamam, a organização tem um problema. É preciso avaliar um conjunto de questões para concluir se a companhia é boa, mas evite os lugares que exa­geram na politicagem.

• Como se defender

Especialistas dão dicas pas você se livrar  das ciladas no mundo corporativo.

A empresa em que você trabalha é comprada por outra, q que usa suas informações para conhecer o negócio. Algum tempo depois, você é demitido.

Algumas atitudes podem evitar a demissão, tais como manter a pon­tualidade no dia a dia, não se atra­sar para reuniões e cumprir prazos em projetos. Se apresentar sempre de forma positiva e confiante. Manter a boa imagem profissional. Mostrar equilíbrio e liderança. Ser proativo em suas atividades, metas e, principalmente, vender suas ideias em reuniões de forma clara e con­victa. Apresente-se para seu novo gestor como profissional (histórico, experiências, passagens por outras companhias) e, o mais importante: não seja bajulador e não acredite em tudo que transita na rádio-peão, pois em momentos de mudanças o que não falta são informações despro­vidas de fontes. Portanto, seja você mesmo e siga seu instinto.

Um colega apresenta para a chefia uma ideia sua como se fosse dele.

Sente-se com ele e mostre, por meio de números e planilhas, se necessário, que você está ficando chateado com a situação e gostaria que ele dividisse mais suas ideias. Assim, vocês dois poderiam evitar esse tipo de situação e se tornariam aliados. "Outra sugestão é explorar suas ideias com o gestor, de prefe­rência em reuniões, evitando assim vazamento das informações e roubo de suas idéias", diz Marshal Raffa, da Ricardo Xavier.

Você faz todo o trabalho e seu chefe não lhe dá crédito pelo resultado.

Pare e reflita: isso acontece só com você ou com outras pessoas também? Se é apenas com você, tem de conversar com o chefe. De maneira aberta e direta, discuta sua contribuição individual em relação aos resultados da área. Se possível, atrele a conversa a seu plano de desenvolvimento pessoal e bus­que apoio do RH. "Isso faz a chefia comprometer-se com o assunto", diz Fernando Monteiro da Costa, diretor da Human Brasil, consultaoria de RH de São Paulo.

Descobriu que um colega está falando mal de você?

Analise com calma a situação e indague pessoalmente, em tom de conciliação, o suposto detrator. Verifique se há mal-entendidos. Se a conversa não for suficiente, procure também o gestor. Com o chefe, seja claro e direto, citando
dados, fatos e exemplos para ilustrar o quanto o comportamento da pessoa prejudica seu trabalho.

Você é excluído de um projeto sem justificativa.

Pergunte ao chefe o motivo de sua exclusão. Deixe claro que sua intenção é continuar fazendo parte do time nos próximos projetos. Mas tenha em mente que podem existir muitas razões para a exclusão. "Pode ser que sua participação no projeto não seja tão vital quanto você imaginava no princípio", diz Fernando, da Human Brasil.

Você faz o possível para resolver os problemas ao lado do chefe. Mas, na hora em que a empresa cobra a solução, ele coloca a responsabilidade na equipe, sem assumir a parte dele como líder.

Um líder de verdade assume suas responsabilidades, delegar e cobrar resultados. Ele divide com a equipe os louros das conquistas e assume as responsabilidades como gestor nas dificuldades. Numa reunião de grupo, caso ele se posicione contra a performance da equipe, procure se posicionar diante de seus colegas, demonstrando que a sua parte está sendo cumprida como integrante da equipe. E, havendo oportunidade de contato com representantes da matriz, apresente seus resultados e contribuição oferecida para o sucesso da equipe e dos negócios.

Você é demitido para dar lugar a um amigo do chefe.

Normalmente, a vítima desse golpe só o percebe quando já foi demitida. Há pouco o que fazer para reparar ou defender-se da injustiça. Melhor é estar preparado para superar a perda do emprego. "A demissão faz parte da carreira de todo profissional, se não passou por isso, precisa estar estruturado emocionalmente e também finan­ceiramente para isso", diz Marshal, da Ricardo Xavier. No momento do desligamento, cobre do chefe e do RH uma explicação acerca do mo­tivo de sua demissão. Verifique se não há a possibilidade de transfe­rência dentro da companhia.

Você está se sentindo carregando o piano, e outra pessoa, que é mais amiga do chefe, é promovida.

Cuidado: essa visão de que você está carregando o piano pode ser sua, e não da empresa. Lembre-se de que hoje todo mundo trabalha bastante, então sua queixa pode não ser uma exclusividade. A companhia pode ter motivos para considerar o outro mais preparado do que você. A saída é buscar entender a escolha do gestor com base em informações e evidências concretas, para você buscar desenvolvimento e agarrar a próxima oportunidade.

    Oratória

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus