De Onde Vem a Inteligência


Os cIentlstas começam a desvendar os fatores que tornam o cérebro mais eficIente. O que podemos esperar dessas descobertas.

Revista Época - por Marcela Buscato

O americano Thomas Harvey disse ter se sentido sortudo ao deparar com o corpo do físico Albert Einstein em cima da mesa de autópsias do Hospital de Princeton, nos Estados Unidos. Não se tratava apenas da empolgação de um patologista - esses detetives da medicina que a cada nova necropsia procuram pelas causas de uma morte. Naquela manhã de 18 de abril de 1955, sete horas depois de Einstein morrer, aos 76 anos, em decorrência de um aneurisma abdominal, Harvey vislumbrou a possibilidade de uma descoberta histórica. Sem a autorização em vida de Einstein ou de sua família, ele abriu o crânio de seu "paciente" mais ilustre. Sugou o liquor do cérebro pelo nariz e com uma das mãos envolveu o bolo de massa cinzenta que revolucionara a ciência ao redefinir os conceitos de espaço e tempo. Harvey cortou as fibras que o prendiam ao corpo e o suspendeu. Acreditava que o cérebro de 1,2 quilo em suas mãos - mais leve que o da média da população - responderia à pergunta que já desafiava pensadores 400 anos antes de Cristo. Qual é a essência da inteligência?

Cinco décadas depois do dia de sorte de Harvey, o cérebro de Einstein - dividido em 240 finas fatias - flutua em dois potes de vidro no Centro Médico de Princeton. Durante todos esses anos, Harvey dedicou-se a enviar alguns desses pedaços a vários especialistas. Caberia a eles investigar o cérebro de um gênio e divulgar para o mundo a receita de tanta inteligência. Alguns deles arriscaram publicar seus achados. O primeiro: a região encarregada da habilidade matemática, chamada lobo parietal, era 15% maior no cérebro de Einstein. A segunda conclusão: as circunvoluções, aquelas dobras que dão uma aparência rugosa ao cérebro, eram distribuídas em um padrão que aproximava os neurônios, facilitando a transmissão de estímulos nervosos. A terceira descoberta: os neurônios eram mais bem alimentados. Einstein tinha uma proporção maior de células fornecedoras de nutrientes em seu cérebro.

Foram constatações curiosas, sem dúvida. Mas pouco revelaram sobre o segredo da geenialidade. Como garantir que as particulaaridades encontradas no cérebro de Einstein foram responsáveis por sua inteligência fora do comum? Há poucos cérebros tão geniais quanto o dele - e um número muito menor chega às mãos dos pesquisadores. Sem base de comparação, não há como provar cientificamente que um cérebro com as mesmas características faria de alguém um gênio. Um fim triste para o bem mais precioso de Einstein e para o ato ousado de Harvey - que morreu em 2007, aos 94 anos, dizendo-se cansado da responsabilidade de ser o guardião de um cérebro tão privilegiado.

Os cientistas de hoje podem não conntar com uma matéria-prima nobre como essa, mas ironicamente estão mais perto de revelar a essência da inteligência do que Harvey jamais esteve. Eles têm acesso direto a algo que confere brilho a um cérebro: as modernas técnicas de ressonância magnética. Essas técnicas, desenvolvidas na última década, colorem as regiões ativadas durante a realização de cada tarefa. E mostram a intrincada rede de interações que produz a inteligência.

O psicólogo americano Richard Haier, da Universidade da Califórnia em Irvine, conseguiu descrever a rota de um pensamento dentro do cérebro usando as imagens obtidas nesse novo tipo de estudo. "Os diferentes níveis de inteligência estão relacionados a quão bem as informações percorrem esse caminho", afirma Haier. "Em algumas pessoas, elas podem pegar atalhos ou viajar a uma velocidade maior:" É como se o cérebro ( fosse uma estrada. Em algumas pessoas, ela seria cheia de ramificações, pavimentadas com asfalto da melhor qualidade. Em outras, o pensamento andaria por uma trilha longa, feita com paralelepípedos. No mundo da neurociência, o asfalto corresponde a um maior número de conexões entre os neurônios, mais substâncias químicas para transportar as informações pelo cérebro e mais vasos sanguíneos para levar alimentos e oxigênio para as células nervosas. Os paralelepípedos correspondem a cérebros em que esses fatores aparecem alterados, acarretando um desempenho pior.

Uma série de estudos publicados nos últimos dois meses colocou à prova a teoria da estrada. E comprovou que aspectos como rota e qualidade do asfalto fazem a diferença. O neuropsicólogo alemão Jan Willem Koten, da Universidade Aachen, mostrou que as pessoas usam estratégias mentais diversas para executar a mesma tarefa. E que algumas dessas táticas são, de fato, mais eficazes: se traduzem em pensamentos velozes e certeiros. No estudo, os voluntários que usavam áreas do cérebro encarregadas do processamento visual e espacial para decorar uma sequência de dígitos tinham mais facilidade para lembrá-Ia que as pessoas que empregavam uma região ligada à linguagem. Paul Thompson, um neurologista da Universidade da Califórnia, descobriu que a qualidade do revestimento dos neurônios está diretamente ligada ao nível de inteligência. Quanto mais grossa a camada de mielina, um tipo de gordura que reveste os neurônios, mais rapidamente a informação é transmitida entre as células nervosas. Na Universidade McGill, no Canadá, os cientistas constataram que crianças e adolescentes com alguumas áreas do cérebro mais espessas tinham um desempenho melhor em testes de inteligência. Elas teriam um maior número de conexões entre os neurônios.

Agora, os pesquisadores estão começando a investigar o que está por trás dessas diferenças. O que faz com que algumas pessoa as usem estratégias mentais mais sofisticadas que outras? Ou tenham um revestimento mais espesso de mielina? Ou mais conexões cerebrais? A resposta está escrita no genoma, a sequência de códigos químicos que tornam cada pessoa tão única. Essas variações na rede neural seriam determinadas pelos genes. Isso significa que a inteligência é em boa parte transmitida dos pais para os filhos. Em seu estudo, Koten, da Universidaade Aachen, descobriu que gêmeos idênticos, que compartilham os mesmos genes, têm mais chances de usar a mesma tática mental para decorar a sequência de números do que seus outros irmãos, que compartilham em média 50% dos genes. Outra pesquisa da Universidade da Califórnia mostrou que as regiões cerebrais que controlam as habilidades de linguagem e leitura são iguais em gêmeos idênticos. E alguns levantamentos sugerem que filhos adotivos costumam desenvolver um Q.I. (quociente intelectual) mais próximo ao dos pais biológicos, com quem não mantiveram contato, que ao dos pais adotivos, com quem convivem.

Esses indícios de hereditariedade e a criação de novos métodos para analisar milhares de sequências de DNA simultaneamente desencadearam uma busca pelos genes da inteligência. Os geneticistas já anunciaram a descoberta de pelo menos cinco. Sem dúvida, um avanço. Mas também uma amostra de quão difícil é determinar as causas da inteligência. Entre todos os genes descobertos, nenhum tem uma influência arrebatadora sobre o desempenho intelectual. "É provável que existam muitos genes que interfiram no desempenho, cada um com uma influência pequena", afirma o psicólogo americano Robert Plomin, do King"s College London.

Em suas pesquisas, Plomin confirmou esses caprichos da genética. Ele empreendeu a maior busca já feita por genes da innteligência. Analisou o DNA de 7 mil crianças, usando uma técnica que procura por até 500 mil marcadores genéticos de uma só vez. E o gene mais influente que conseguiu encontrar, o lGF2R, determinava uma variação de apenas 0,4% na pontuação de testes de inteligência. Na Universidade de Washington, nos Estados Unidos, uma equipe de pesquisadores diz ter descoberto um gene, o CHRM2, com influência maior. A diferença de Q.I. entre uma pessoa que tenha todas as versões do gene que influenciem negativamente as habilidades cognitivas e alguém que carregue as mutações com influência positiva poderia chegar a 20 pontos. Os cientistas americanos afirmam que é muito difícil comprovar estatisticamente esse dado porque há poucos casos conhecidos de pessoas com essas configurações genéticas extremas.

Entender o papel exato desses geenes é outro desafio. Eles parecem ter outras funções além de influenciar na habilidade de raciocínio. O caso mais intrigante é dos genes DARP-32 e DTNBPl. Eles são encontrados em pessoas com esquizofrenia, um transtorno psiquiátrico caracterizado por alucinações, e, por isso, são associados à doença. Estudos recentes sugerem que eles também podem ter alguma ação sobre a inteligência. Portadores de uma versão específica do DARP-32 processariam de forma mais eficiente as informações no córtex pré- frontal, o que melhoraria o desempenho intelectual. Já as pessoas com uma mutação específica no DTNBPl teriam dificuldades de raciocínio. Ainda não se sabe por quê.

Ao mesmo tempo que avançam as descobertas sobre a influência da genética, também avançam os estudos sobre o papel do meio ambiente na formação da inteligência. "O nível de inteligência de uma pessoa é resultado da interação entre genes e fatores ambientais", afirma o psicólogo lan Deary, diretor do Centro de Epidemiologia Cognitiva da Universidade de Edimburgo, na Escócia. Até beber leite materno pode ser decisivo. Pesquisadores britânicos sugerem que, em crianças com determinada versão do gene FADS2, a alimentação pode elevar o Q.I. em até 7 pontos. Esse gene estaria relacionado à transformação de nutrientes da gordura do leite importantes para o desenvolviimento do cérebro.

A função dos genes seria estabelecer a infraestrutura necessária para o desenvolvimento da inteligência, como as conexões entre os neurônios, que funcionam como estradas para as informações. A função dos estímulos ambientais - acesso a educação e cultura, boa alimentação e cuidados médicos adequados - seria determinar quais dessas estradas continuarão ativas, quais desaparecerão e se outras serão formadas. "Os genes determinam o limite de nossa inteligência, assim como fazem com nosssa altura", diz a geneticista Maria Raquel Santos Carvalho, pesquisadora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "Mas é o ambiente que influencia quanto podemos desenvolver nossas habilidades e quão altos seremos." Uma criança pode ter nascido com uma habilidade natural para tirar uma música de ouvido ou detectar o tom até na batida de uma porta. Se não receber educação musical, não desenvolverá o dom. E pode até perder as conexões cerebrais responsáveis por ele.

Todos esses estudos sobre a origem da inteligência estão sujeitos a controvérsia. O maior obstáculo a eles é o temor de que levem à discriminação das pessoas que não tenham os genes "corretos": Um segundo grande obstáculo se refere ao próprio connceito de inteligência. Quase todas as pesquisas se baseiam em testes de Q.I. - considerado uma visão limitada do potencial humano. Nas provas de Q.I. há apenas uma resposta correta para cada questão. O que se mede são, principalmente, habilidades lógicas. ""A inteligência não se resume a esses tipos de raciocínio e à velocidade de pensamento", diz a psicóloga Eunice Soriano de Alencar, professora da Universidade Católica de Brasília. Os testes de Q.I. deiixam de fora habilidades importantes, como capacidade de se relacionar com os outros, talento musical ou mesmo a criatividade - a característica que Einstein mais prezava em si mesmo. Por isso surgiu, nas últimas três décadas, um conceito mais abrangente de inteligência. Um de seus maiores defensores é o psicólogo americano Howard Gardner. Ele diz que, além da lógica, outras sete habilidades contam como tipos de inteligência.

Por entender os limites do Q.I., várias universidades e empresas nos Estados Unidos têm usado outras técnicas para selecionar candidatos. Mais que medir o raciocínio lógico, testa-se a criatividade. Um dos modelos mais sugestivos é descrito pelo autor britânico Malcolm Gladwell no livro

Por entender os limites do Q.I., várias universidades e empresas nos Estados Unidos têm usado outras técnicas para selecionar candidatos. Mais que medir o raciocínio lógico, testa-se a criatividade. Um dos modelos mais sugestivos é descrito pelo autor britânico Malcolm Gladwell no livro Fora de série (Editora Sextante). O teste apresenta palavras como "cobertor" e pede que a pessoa faça o maior número possível de associações com elas. Gladwell conta que, quando o teste foi realizado em uma escola britânica, um bom aluno superou, de longe, um aluno que tinha um dos maiores Q.I.s da escola. Na associação de ideias do cobertor, o prodígio enumerou usos convencionais: aquecer, abafar o fogo, funcionar como uma maca improvisada. O outro ofereceu muito mais alternativas: ser usado como tenda para encobrir um casal fazendo sexo, como vela para um veleiro, como substituto para uma toalha ou para amortecer a queda de alguém que salte de um edifício. Conclusão: o Q.I. não mede atividades valiosas da mente, como capacidade de abstração e senso de humor.

Apesar das limitações do critério de Q.I. para medir inteligência, ele é usado nas pesquisas porque é o único, até hoje, que fornece dados objetivos para os cientistas fazerem comparações. E estudos mostram que pessoas com Q.I. alto em geral vivem mais tempo, ganham salários mais altos, têm menor índice de divórcio e são menos suscetíveis a traumas.

Mais que apenas constatar quem ganhou na loteria da inteligência, as novas pesquisas podem ajudar a aproveitá -Ia. A primeira aplicação prática dessas descobertas é frisar a importância de identificar precocemente crianças com inteligência acima da média. Só assim elas podem atingir seu potencial. Desde cedo, essas crianças devem receber uma educação que atenda a suas necessidades. O tratamento especializado evitaria problemas de comportamento e até de desempenho, característicos dos superdotaados que se sentem desmotivados porque o ritmo das aulas é lento para suas capacidades. O trabalho especializado, ainda embrionário no Brasil, consiste em criar um turno extra, quando os alunos podem estudar e falar sobre os assuntos que lhes interessam sem medo de ser estigmatizados. "Essas crianças percebem que não são os ETs que pareciam ser na escola", afirma Zenita Guenter, fundadora e diretora do Centro para o Desenvolvimento do Potencial e Talento, em Lavras, Minas Gerais.

Para os superdotados, conviver com crianças com capacidades semelhantes pode ser um benefício para o bem-estar emocional. Muitas têm dificuldades de se relacionar com os demais colegas e acabam se afastando do grupo ou escondendo seu talento para conseguir se integrar. O roqueiro Roger Moreira, vocalista do Ultraje a Rigor, usou essa estratégia na adolescência para disfarçar seu Q.I. de 172 pontos (a média da população é de 100). "Esse negócio de ser o primeiro da turma era péssimo. Os amigos sempre sacaneavam", diz Roger. "Decidi que seria o 15º da classe, só o bastante para não ficar de recuperação, porque atrapalhava muito as férias:"

A educadora Suzana Pérez, presidente do Conselho Brasileiro para Superdotados, acompanhou dez superdotados adultos e percebeu que as dificuldades sociais os acompanham durante a vida toda. "Eles se veem como pessoas normais, mas têm dificuldade em se relacionar de igual para igual com os outros." O engenheiro paulistano Carlos Leite, dono de uma empresa de programas para engenharia, pode ser um exemplo. Ele diz que aos 9 anos gabaritou um teste de Q.I. "Sempre me senti sozinho. Há assuntos sobre os quais não tenho com quem conversar", diz. Acabou fundando um capítulo nacional da Mensa, uma rede de relacionamentos para pessoas com Q.I. elevado.

A segunda aplicação dos estudos sobre inteligência beneficiaria todas as pessoas que desejam melhorar o desempenho de seu cérebro. Isso inclui as crianças com problemas de aprendizagem. Quanto mais cedo elas forem identificadas, mais rapidamente podem ser incluídas em programas especiais, que lhes deem mais estímulos e uma didática adequada. ""A inteligência não é fixa, ela pode ser treinada"; afirma Vitor Haase, especialista em neuropsicologia da UFMG. A evidência mais recente de que é possível desenvolver a inteligência veio de pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos. Eles mostraram que é possível aprimorar um tipo de habilidade de raciocínio usada de bate-pronto para resolver problemas com os quais nos deparamos pela primeira vez. Cerca de 70 voluntários passaram 19 dias praticando 20 minutos diários de exercícios de memória. No fim desse período, eles foram capazes de resolver cinco problemas a mais do que haviam conseguido antes do treinamento.

Outras pesquisas demonstram que é possível melhorar a inteligência com exercícios físicos, boas horas de sono ou treinos diversos. No futuro, é possível que esses estudos levem ao desenvolvimento de remédios ou exercícios mais eficazes para aumentar nossas habilidades mentais. É difícil dizer se isso nos tornará mais produtivos ou apenas mais estressados. A grande esperança é que pessoas com mais inteligência saibam usá-Ia melhor.

    Leitura Dinâmica e Memorização

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus