Escola sem papel – Tirar livros e cadernos da sala de aula


País com um dos melhores sistemas de ensino do mundo, a Coréia do Sul vai tirar livros e cadernos das salas de aula.

Revista Istoé - por Débora Rubin

Os alunos da Coreia do Sul não precisarão carregar mais tanto peso nas costas a partir de 2015. O governo anunciou neste mês que todo o sistema de ensino será digitalizado. Para ler o conteúdo de um livro ou fazer a lição de casa, bastará ter um tablet ou até mesmo um smartphone. O conteúdo digital faz parte do programa SmartE­ducation (Educação Inteligente), que terá investimentos da ordem de US$ 2 bilhões. Além de eliminar o uso de livros e cadernos, o programa prevê a criação de salas multimídia com computadores e quadros eletrônicos. As aulas também serão transmitidas em tempo real - o que pode ser o fim da velha desculpa de faltar na escola quando se está doente.

A transformação digital da educação coreana é inédita. Nenhum outro país, por hora, prevê tamanha mudança em tão pouco tempo. Nem tanto pela falta de investimentos, mas sim pelo modelo educacional. "A grande maioria dos países tem uma estrutura muito menos centralizada e mais complexa, o que dificulta a padronização e a digitalização da educação", afirma César Nunes, pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Inovação Curricular da Faculdade de Educação da Universidade de São Pau­lo e diretor da Oort Tecnologia, produ­tora de material didático digital. Nos Estados Unidos, por exemplo, algumas cidades estão apostando em projetos­ piloto com os tablets - a Prefeitura de Nova York comprou dois mil aparelhos. No Estado de Indiana, o ensino da letra cursiva agora é opcional.

Para o especialista César Nunes, a ques­tão mais importante a ser debatida é como usar a tecnologia em sala de aula. "Quando falamos em cadernos e livros digitais, corremos o risco de nos ater apenas a ativida­des muito guiadas, mais parecidas com o sistema tradicional", diz. "Mais inte­ressante é pensar em como usar isso focado no desenvolvimento do pensa­mento e das competências do século XXI." Encher uma sala de aula de computa­dores e não saber o que fazer deles é uma his­tória recorrente no mundo educacional. Re­centemente, a Espanha investiu em lousas digitais e notebooks em sua rede pública. O que parecia uma iniciativa nobre gerou uma grande confusão, já que a maioria dos professores nem se­quer sabia usar o material.

No Brasil, há um ano foi lançado oficialmente o Programa Um Compu­tador por Aluno (Prouca) pelo ex-presi­dente Luiz Inácio Lula da Silva, que ainda está na fase piloto. Dez escolas de cinco cidades receberam 1.390 máquinas para a fase de teste. A segunda etapa vai levar 150 mil laptops para três mil alunos de mais cinco municípios. Paralelamen­te, 600 professores universitários foram capacitados para treinar docentes da rede pública a usar o material de forma adequada.

• O bê-á-bá sul-coreano

Por que a educação desse país é tida como uma das mais avançadas do mundo

- Pacto social: o governo investe 5% do PIB na educação. Os pais gastam até 20% da renda familiar na formação dos filhos.
- Ensino básico: 0s primeiros anos de estudo são prioridade. Uma lei destina grande parte dos recursos para essa etapa.
- Professores: os mestres são sempre avaliados e valorizados. O salário médio de um docente do ensino básico é de R$10 mil.
- Carga horária: os alunos passam, pelo menos, oito horas na escola.
- Os melhores: o sistema incentiva os alunos a buscarem os primeiros lugares e a perfeição.

    Leitura Dinâmica e Memorização

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus