Liderando em tempos difíceis


Não existe uma fórmula mágica para vencer obstáculos. Mas me atrevo, aqui, a apontar seis caminhos que podem ajudar os líderes a realizar mudanças positivas.

Revista Época Negócios - por Howard Schultz*

Os tempos não estão fáceis para ninguém. A fragilidade da economia global, as mudanças no cenário geopolítico e as rápidas alterações obser­vadas no comportamento do consumidor e na tec­nologia são desafios constantes dos líderes em todo o mundo. Você pode ser um CEO ou o gerente de uma pequena equipe. Empreendedor ou político. Não importa a posi­ção de liderança que exerça. O fato é que os desafios que todos enfren­tamos na hora de tomar decisões vão além de superar o desempenho do último trimestre ou lançar um produto antes da concorrência. Os desafios de hoje têm a ver com a sobrevivência a longo prazo e exigem mudanças significativas na forma como as empresas funcionam.

Nossos desafios são parecidos em magnitude, mas não se asseme­lham em nada nos detalhes. Isto significa que não há um caminho único a seguir. Contudo, creio que há princípios que podem ajudar um líder a atravessar tempos difíceis e, mais do que sobreviver, prosperar.

• 1. Não abra mão de suas prioridades

Nenhuma empresa, ou líder, pode ser tudo para todas as pessoas - prin­cipalmente em tempos de crise. Nem tente. É impossível resolver uma porção de problemas ao mesmo tempo.

Prepare-se para fazer escolhas difíceis identificando tudo o que for mais crítico para o sucesso contínuo da empresa. Diga a todos quais são suas prioridades e proponha ações tangíveis que permitam a realização dessas prioridades. Dois ou três objetivos seguidos à risca terão mais força do que uma dúzia de ideias lança­das aleatoriamente.

• 2. Crie uma "agenda"

Mudanças disseminadas exigem entendimento igualmente disseminado do que é preciso ser feito. Centenas, se não milhares, de pessoas terão de apoiar as prioridades dos líderes a cada decisão tomada.

Para isso, as pessoas precisam de um mapa de fácil entendimento - uma visão que lhes diga em linguagem clara: "Este é o nosso objetivo, e é desta forma que pretendemos atingi-lo". Esqueça as apre­sentações elaboradas em PowerPoint e se concentre em um documento curto que obrigue os líderes a formular suas prioridades com precisão. Essa "agen­da" deve ser sintética o bastante para caber numa fo­lha de papel ou ser vista de uma única vez na tela de um smartphone ou de um computador. Quanto mais acessível for o plano, mais fácil será sua execução.

• 3. Gerencie com emoção

Em tempos de incerteza, as pessoas ficam receosas. Elas querem muito um líder, alguém que tenha equi­líbrio para lidar com seus anseios. Coloque-se no lu­gar do consumidor, do empregado, do cidadão ou do eleitor e veja como ele realmente se sente. Encare as coisas sob a óptica dele, só assim você terá a pers­pectiva necessária para chegar a soluções realistas.

• 4. Não se deixe levar por ideias preconcebidas

Esteja disposto a ouvir pessoas com quem você não simpatiza e prepare-se para trabalhar com elas. Nem todas as pessoas são iguais, e é fácil o líder sob pressão se livrar de gente cujas ideias ou estilos di­ferem do seu. Contudo, todas as opiniões são impor­tantes, especialmente quando a sobrevivência está em risco. Além disso, resolver grandes problemas exige união estratégica.

Em vez de deixar as pessoas falando sozinhas ou criticá-Ias, tente entender o ponto de vista delas, tendo sempre em mente suas priori­dades em geral. No meu caso, essa lição me leva de volta ao lugar onde nasci. Morar em um conjunto habitacional com mais de 100 famílias ­ num prédio em que havia apenas um pequeno elevador - fez com que eu aprendesse a conviver com pessoas diferentes de mim.

• 5. Tenha coragem de seguir por caminhos pouco conhecidos

Tempos de incerteza não são, necessariamente, tempos de evitar riscos. Há momentos em que a inovação pode tirar a empresa da estagnação. Incentive as boas ideias e tenha coragem de investir na melhor delas. Quando começarem as críticas - e elas virão, sempre -, fique firme.

Os meios de comunicação, Wall Street, especialistas e concorrentes são capazes de fazer com que até o mais confiante dos líderes reavalie a trajetória escolhida. Não dê toda essa força a eles. Embora líder algum deva descartar críticas construtivas, não abra mão da coragem que o levou às suas convicções.

• 6. Equilibre desempenho com consciência social

Você não pode fazer o que é certo para sua empre­sa em detrimento do que é certo para a sociedade. Tempos difíceis não são exclusividade das empresas: eles atingem a todos. Por isso mesmo esta é a hora de investir em projetos criativos de filantropia junto às comunidades. É dever do líder enxergar a sua corpo­ração como fonte de mudança positiva.

Pense nestes princípios não como meios para atingir um fim e sim como uma mentalidade neces­sária para lidar com os desafios inevitáveis que con&s shy;frontam todo líder nos bons e nos maus tempos.

*Howard Schultz é fundador e executivo-chefe da Starbucks. Ele é autor do livro Onward: how Strabucks fought for this life without losing its soul (na tradução brasileira, Dedique-se de coração - Starbucks Coffee).

    Oratória

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus