Mistérios da Mente


Sintomas intrigantes e síndromes raras nos lembram que, apesar dos avanços científicos, a dinâmica cerebral permanece um enigma, ainda longe de ser desvendado - mas nem por isso menos fascinante.

Revista Scientific American - por Edson Amâncio*

No prefácio de seu volumoso livro Como a mente funciona, o psicólogo e lingüista canadense Steven Pinker avisa: "Não entendemos como a mente funciona". E cita o também lingüista americano Noam Chomsky, para quem nossa ignorância pode ser traduzida em "problemas e mistérios". "Quando estamos diante de um problema, podemos não saber a solução, mas temos insights, acumulamos conhecimento crescente sobre o tema e temos uma vaga idéia do que buscamos. Porém, quando nos defrontamos com um mistério, ficamos ao mesmo tempo maravilhados e perplexos, sem ao menos uma idéia de qual seria sua explicação." O desafio que constitui a compreensão do funcionamento mental permanece um mistério. Ainda estamos longe de dessvendá-lo, mas não resta dúvida de que os primeiros passos foram dados.

Com recentes descobertas, entretanto, o interesse demonstrado por especialistas - e também por leigos - em questões relacionadas ao psiquismo vem ganhando cada vez mais impulso. Muitos tenntam mesmo explicar o que há poucos anos era tido como inexplicável. Os mais céticos consideravam o tema impossível de ser abordado do ponto de vista científico: a mente como um todo e os fenômenos a ela relacionados - como o pensamento, a memória e a própria consciência.

Quais as ferramentas de que dispõem os pesquisadores para se aventurar nessa imprevisível caminhada? Desde o momento em que se debruçaram sobre o assunto, apropriaram-se de recursos mais sofisticados a cada dia. A tomografia computadorizada desenvolvida no começo da década de 80 foi um grande salto: permitiu visualizar o cérebro em suas mínimas particularidades. A ressonância magnética, difundida desde o início dos anos 90, amplificou as imagens do sistema nervoso central e rapidamente se popularizou entre os cientistas. Alguns registros, como os obtidos de PET scans e ressonância magnética funcional, mostram o cérebro em atividade e podem desenhar as diversas áreas cerebrais em ação. Dessa forma documenta-se, em tempo real, as regiões envolvidas em processos complexos, como há duas décadas ninguém poderia imaginar.

É possível, por exemplo, determinar que áreas são acionadas quando resgatamos uma lembrança querida, fazemos cálculos ou nos sentimos culpados ao nos lembrarmos de um delito. Apesar desses avanços, a medicina não abandonou a análise meticulosa dos pacientes. O estudo dos casos clínicos, que tem como ferramenta a observação arguta do examinador aliada à tecnologia disponível, torna essa aventura cada vez mais atraente.

Chamam a atenção dos pesquisadores patologias "estranhas" - como a incapacidade de distinnguir faces (prosopagnosia); a impossibilidade de reconhecer como nossas partes do próprio corpo em razão de uma doença neurológica (anosognosia); transtornos mentais que nos levam a acreditar piamente que pessoas próximas são impostoras (síndrome de Capgrass) e ainda distúrbios assustadores, como o que faz com que algumas pessoas se recusem a enterrar seus mortos queridos (mumificação). Tais manifestações constituem objeto de atração para as neurociências não pela extraordinária estranheza das suas características, mas porque permanecem como rico manancial de informações. Talvez, compreender esses quadros ajude médicos e pesquisadores a entender melhor os delírios e as alucinações de que padecem esquizofrênicos, ou os múltiplos aspectos da depressão.

Apesar do peso de nossa oceânica ignorância, temos encurtado as distâncias com velocidade cada vez maior. Avanços tecnológicos estão mais e mais disponíveis e podemos hoje falar de maneira quase rotineira em terapias com estimulações magnética transcraniana e cerebral profunda com eletrodos para alívio de sintomas como transtorno obsessivopulsivo (TOC) refratário, síndrome de Tourette e depressão grave - distúrbios para os quais um número significativo de pacientes não encontra alívio com medicamentos e outras modalidades de tratamento. A irredutível constatação de que o exame de PET scan em pacientes com transtornos neuropsiquiáátricos graves apresenta alterações metabólicas em áreas específicas do cérebro foi o ponto de partida para pôr em prática essas novas modalidades terapêuticas. Com a estimulação de uma área específica do cérebro, se consegue modular outras regiões e, dessa forma, vários circuitos hipofuncionantes entram em atividade, levando, portanto, à melhora dos sintomas clínicos.

Em linhas gerais, render-se ao fascínio dos mistérios e empenhar-se em desvendá-los para tomar mais confortável a existência de grande número de pessoas são hoje o grande desafio dos estudiosos das ciências da mente.

* Neurocirurgião, pós-graduado pela UNIFESP e autor de O Homem que fazia chover e outras histórias inventadas pela mente (Barcarolla, 2006).

    Leitura Dinâmica e Memorização

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus