O Ciclo Mental do Sucesso


7 chaves para atingir a máxima performance no Pára-quedismo podem ser aplicadas em qualquer atividade que exija alto desempenho

Revista Air Press - por Mauricio Galante

Além do Comprometimento em desenvolver os aspectos físicos e técnicos para atingir alta performance no ambiente do pára-quedismo, o fator mental tem um papel grande em iluminar cada passo que leva ao sucesso na atividade. Qualquer atleta, do amador ao profissional, que deseje alcançar consistência, precisa seguir um certo processo para facilitar seu caminho rumo a excelência. É um ciclo, com passos claros e específicos e que pode ser dominado com a prática diária. São eles:

  • 1 - Objetivos Concretos

    Muito se tem dito sobre objetivos SMART, um anacronismo em inglês para Específico, Mensurável, Atingível, Realístico e Temporal, quando se escolhe objetivos em negócios, nos esportes ou na vida em geral. Este é um processo muito válido, mas tem limitações, especialmente porque se refere apenas aos objetivos propriamente ditos, não considerando como sua mente codifica a experiência desejada e as imagens associadas a ela.

    Tudo está ligado às imagens em sua mente, "à visão", e ao sentido sua mente inconsciente dá a essas imagens e que vão determinar o seu comportamento. É uma cadeia de eventos; imagens criam pensamentos, pensamentos criam sentimentos, sentimentos criam ações e ações geram comportamento. Para ser efetivamente codificado em seu cérebro temos que adicionar três condições a estes objetivos SMART.

    - Primeiro: os objetivos têm que ser definidos em termos positivos apenas, por exemplo: "eu vou fazer uma saída perfeita da aeronave, e mantê-la no meu campo de visão até começar a voar de barriga para baixo", ao invés de "vou sair do avião bem selado para evitar capotar porta afora"; pensando desta maneira você estará se programando para realizar uma linda capotagem porta afora. Isto acontece porque seu cérebro não processa imagens negativas, e durante o processo de obedecer a um comando negativo, a única imagem que ele usa vai ser a imagem indesejada.

    Comece a anotar tudo o que você fala e como você recita suas profecias auto-realizadoras: você ficará surpreso como fomos programados de uma maneira diferente; não é de surpreender que em qualquer campo há tanta gente talentosa que acaba tendo carreira curta em suas empreitadas.

    - Segundo: os objetivos têm que ser baseados em evidência sensorial. A chave aqui é envolver o máximo de sentidos possível a ponto de, quase criar em si a realidade desejada.

    Visão, audição, cheiro, gosto e tato são os "códigos de barra" das imagens em sua mente, a maneira que seu cérebro puxa a informação quando necessário. Quando você escolher seu próximo objetivo, pergunte-se antes: como eu vou saber que eu atingi meu objetivo? Quando eu atingir meu objetivo, o que eu verei a minha volta? Como eu vou me sentir? Eu sinto algum cheiro em particular? Há algum som ou música em particular que esteja relacionada com a conquista desse objetivo? E assim por diante.

    Espere o teor das respostas serem em termos do que você vê, escuta, cheira, sente gosto e sensação. Desta maneira as imagens em sua mente serão catalogadas de maneira acessível para ajudar sua mente inconsciente a iluminar o caminho em direção ao seu objetivo.

    - Terceiro: defina o primeiro passo. Talvez seja a parte mais importannte do processo de definir objetivos concretos e o que leva você a agir. Transformar um objetivo em realidade requer ação e como já dizia o ditado milenar, mesmo a mais longa jornada começa com um simples passo; porque pequenos e simples passos aumentam sua autoconfiança e lhe dão a vantagem da iniciativa. Mais uma vez, seja específico: O que precisamente você vai fazer? Como você vai fazê-lo? E quando vai começar e terminar?

  • 2 - Autodisciplina

    Agora que você tem sua visão e determinou objetivos positivos e específicos para chegar lá, autodisciplina define-se pelo seu comprometimeto em tomar ações que o guiam em direção a estes objetivos. Criar rotinas consistentes em cada fase do seu salto (preparação, em vôo, queda livre, e revisão do salto) não só irá lhe trazer resultados reais em lhe dará também poderoso feedback para saber onde está indo.

    Algumas ferramentas podem ser desenvolvidas para lhe assistir no processo de monitorar seu progresso e seu comprometimento com a melhora constante. Caderneta de dados, programas e planilhas vão lhe dar as informações necessárias para ajudá-lo a voltar para o caminho desejado caso encontre algum desvio de rotina.

    Cartões de proficiência, planos de salto, planos de vôo, até mesmo sua caderneta de salto dizem o quanto disciplinado você é e podem servir de acessório para obter alguma revisão futura, como também fazem você pensar no que vai fazer mesmo antes de saltar, lembra das imagens mentais?

    Aqui vão algumas dicas para serem incluídas no seu check list de autodisciplina na próxima vez que você saltar: eu estou seguindo a mesma rotina quando eu me preparo no solo? Eu estou seguindo uma rotina para revisão e visualização do meu salto antes da porta abrir? Como é que eu sei se estou preparado mentalmente para a próxima tarefa?

  • 3 - Preparação Mental

    O processo de autodescoberta para superar apenas acontece com planejamento apropriado, persistência em ações positivas, e aç&a atilde;o continuada em descobrir o que o que o leva a encontrar o seu melhor foco em grandes performances. E, é claro, você tem que estar pronto para o desafio, pronto para o dia, totalmente focado no momento presente durante sua performance e com uma atitude descontraida e esperando o próximo cenário.

    Mais uma vez as imagens em sua mente têm um papel-chave neste as ferramentas de visualização vão lhe ajudar a se familiarizar com o momento da ação desejada e você vai ter aquela sensação de "eu já estive aqui" durante a performance; de fato, você já esteve mesmo. Seu cérebro não faz distinção entre uma imagem que você vê com os olhos de uma imagem que você vê com a mente quando visualiza; se visto num aparelho de tomografia computadorizada o cérebro ilumina as mesmas áreas e ativa as mesmas neuro-conexões responsáveis por formar aquele tipo de imagem que está sendo vista ou imaginada.

    Ha vários processos que podem ser usados para trazer resultados excelentes, mas para simplificar o assunto eu focarei apenas quatro grandes tipos de exercícios de visualização: tarefa, situacional, simbólica e pós-fato.

    - Visualização de Tarefa é você imaginar-se fazendo a mesma tarefa várias vezes.
    - Visualização Situacional é o mesmo que a de tarefa, mas agora você vai adicionar condições e circunstâncias. Tome uma curva de centro e imagine-se num time de sequencial de quatro durante o campeonato nacional em 2008.
    - Visualização Simbólica é como são feitos os seus sonhos; vendo-se ser ovacionado por uma multidão cantando seu nome pode ser usado para aumentar sua autoconfiança e auto-estima antes de um momento difícil num campeonato.
    - Visualização Pós-Fato é ver tudo a sua volta quando sua visão e seu objetivo foram atingidos. Durante os próximos 30 minutos você vai agir, pensar e sentir como se fosse o campeão mundial de freefly no ano de 2008, é só um exemplo.

    Eu assumo que você não tenha começado a ler este artigo deste ponto em diante, então é desnecessário mencionar que você deve utilizar todos os sentidos possíveis quando praticar visualização, qualquer que seja. Use sua imaginação e todos os recursos disponíveis para criar e recriar todo o visual, audível, gustativo, sinestésico e emocional possível, que está associado às suas visões.

  • 4 - Rotina Antes da Performance

    É hora do show! Você saber seus objetivos, você é disciplinado, está mentalmente preparado, então é hora de por tudo junto e fazer seu melhor. Novamente, há uma rotina que lhe dará uma tremenda vantagem para cumprir sua missão.

    Por que dentro de sua cabeça as imagens têm prioridade sobre os sentidos; você vai prestar atenção em praticar tudo mentalmente antes de ir lá usar os carrinhos e fazer a simulação do salto, desta maneira você estará facilitando seu foco na sensação dos exercícios sinestésicos praticados, porque as imagens já são as de um movimento perfeito.

    O cenário oposto ocorre dentro da aeronave quando você quer revisar o que fará no seu salto. Você vai realizar sua revisão verbal primeiramente, e depois é que fará sua visualização. Desta maneira você poderá detectar qualquer desvio no plano e corrigi-lo a tempo, antes de você visualizar as imagens indesejadas em sua mente, porque o que você tiver em sua mente logo antes de você cruzar porta afora tem grandes chances de acontecer.

    Rode um filme de um salto perfeito em sua mente; pode ser rodado em velocidade normal ou câmera lenta, mas esteja seguro em adicionar sons, cores, a imagem do horizonte a sua frente, sua respiração, a sensação do sorriso em queda livre, a sensação do ar passando entre os dedos e os resultados serão indescritiveis.

  • 5 - Controle de Distração

    O pára-quedismo é uma atividade mudanças rápidas de cenários e tem muitas variáveis. O tempo, o vento, o avião, o espaço, outros atletas, seu equipamento, a possibilidade de panes, os resultados, as expectativas, e a lista não tem fim. Se tudo o que você leu neste artigo realmente não lhe interessar eu vou considerar meu objetivo cumprido se eu pelo menos esta idéia sobre esse negócio de treinamemto mental.

    Durante um salto sua mente pode ter milhares de pensamentos e o que você quer fazer é eliminar os que forem desnecessários.

    Gatilhos e Palavras-chave são as melhores ferramentas para simplificar seus pensamentos e povoar sua mente com apenas "uma imagem", aquela que realmente importa no contexto da ação. Pratique no chão até atingir uma seladura relaxada e neutra repetindo mentalmente a palavra-chave "snap", e assim que você passar porta afora grite alto "snap"; qual imagem e sensação você acha que vai ser puxada no arquivo em sua mente? Um exemplo de gatilho seria quando você sentir o ar frio passando entre seus dedos lembrar-se de respirar, sorrir e relaxar.

    Pensamentos negativos são parte de um mecanismo de defesa em nosso cérebro que está sempre à procura de conforto e autoproteção. Quando seus olhos enviam a imagem de uma porta aberta e gente se atirando porta afora, o pensamento que irá se associar a esta imagem será: "isto é loucura, eu vou morrer se fizer isso", este é um instinto natural de sobrevivência. Aprenda a "reforçar" sua atenção quando estes pensamentos negativos acontecerem repetindo mentalmente "PARE" (veja até a placa vermelha com as letras), logo após plante uma mensagem positiva e motivadora para preencher o vazio criado: "a porta está aberta, é hora de dar o meu melhor, é esse o momento que eu estava esperando, yahoo!"

    Música relaxante, música motivadora, áudios subliminares (que utilizam moduladores de ondas cerebrais), técnicas de controle de respiração, uma outra atividade prazerosa antes do salto, qualquer coisa que tire você "de lá" por alguns momentos tem grande valor em como você gerencia os fatores que distraem sua atenção.

    Lembre-se, onde sua mente vai, o resto a segue. Seja o dono de sua mente!

  • 6 - Rotina Pós-Performance

    "Eu consegui! Que legal! Eu quero e cada vez mais!". Por out " (veja até a placa vermelha com as letras), logo após plante uma mensagem positiva e motivadora para preencher o vazio criado: "a porta está aberta, é hora de dar o meu melhor, é esse o momento que eu estava esperando, yahoo!"

    Música relaxante, música motivadora, áudios subliminares (que utilizam moduladores de ondas cerebrais), técnicas de controle de respiração, uma outra atividade prazerosa antes do salto, qualquer coisa que tire você "de lá" por alguns momentos tem grande valor em como você gerencia os fatores que distraem sua atenção.

    Lembre-se, onde sua mente vai, o resto a segue. Seja o dono de sua mente!

  • 6 - Rotina Pós-Performance

    "Eu consegui! Que legal! Eu quero e cada vez mais!". Por outro lado, "eu sou um desastre acho que arruinei todo o salto, eu nunca serei um bom pára-quedista". São apenas duas percepções diferentes às vezes do mesmo salto; a coisa mais importante da rotina após o salto é calibrar esta percepção para sua vantagem. Está feito, não é mesmo? Tudo o que você pode fazer agora é coletar o máximo de fatos e aprender com eles. Aí está o segredo.

    Com o vídeo disponível para a maioria dos treinadores, normalmente nós corremos para ver o que aconteceu e começamos a fazer comentários como deveria ser feito e daí por diante. Nós não percebemos que a percepção que está em nossa mente não é a mesma que teremos quando virmos o vídeo e, definitivamente, não é a opinião de uma terceira também. Para se tirar o máximo do recurso de vídeo:

    - Primeiro: devemos tirar o máximo da nossa percepção interna do que aconteceu, lembrando todos os momentos e dando a melhor e mais completa descrição possível. Você se lembra de todos os movimentos que fez? Você se lembra do que você viu? O que você sentiu? Que pensamentos você tinha em sua mente quando a manobra ocorreu?
    - Segundo: é hora de conhecer a percepção de uma outra pessoa; talvez um companheiro de time, ou mesmo seu treinador. Agora nós temos duas percepções muito válidas, vamos então assistir ao vídeo em velocidade normal sem fazer comentários enquanto assistimos. Apenas coletar fatos. O que você vê? Como foi feito? Quão rápido foi? Etc.
    - Terceiro: agora então é a hora de comparar percepções assistindo ao vídeo em câmera lenta e entendendo o porquê do que ocorreu, baseado no que você sentiu, o que você fez, mesmo o que você estava pensando durante as manobras. Este método lhe dará a vantagem do entendimento de como nossa percepção da realidade afeta nossa memória muscular e o processo de aprendizado (mudança de comportamento).
    - Finalmente: é hora de assistir ao vídeo novamente em velocidade normal e criar as imagens de como você gostaria que tivesse ocorrido. Você agora estará plantando a semente do sucesso para a próxima vez que se encontrar em condições similares.

    Lembre-se: "a realidade é baseada na percepção do observador, e não de seu ponto de vista"; divirta-se com vídeos e use-os para sua vantagem.

  • 7 - Aprendizado Constante

    Aprendizado constante inclui: refletir sobre o que você fez muito bem, refletir sobre o que você deve refinar e melhorar para atingir seus objetivos, descobrir como melhorar e ter um plano para o próximo passo.

    Seja positivo, específico e relevante nestas reflexões e pontos de ajuste. Está tudo relacionado com imagens, não é?

    Eu incluiria na minha caderneta de saltos ou em planilhas específicas de treino as lições mais importantes aprendidas naquele salto em particular, anotando também como estava meu nivel de disciplina (em seguir as rotinas), minha preparação mental, e que ferramentas de controle de distração foram aplicadas e porquê.

    Agir de acordo com as lições aprendidas de maneira regular é onde está a graça do jogo, e a atitude do vencedor é o caminho da excelência. Jogue fora a idéia de perfeição e abrace a idéia da excelência; não é o resultado que interessa, apesar de que a visão clara de onde você quer ir é crucial, mas o estado mental é que conta. É o que você escolheu pensar e ser em um determinado momento que faz você se sentir confiante e orgulhoso de ter dado o melhor de si todo o tempo.

    Aqueles que atingem os mais altos degraus também ficam nervosos e até mesmo sentem medo antes de competir em grandes eventos. Eles também experimentam altos e baixos em sua autoconfiança e às vezes têm dúvidas sobre suas habilidades.

    O que separa estas pessoas da maioria restante é que elas se comprometem totalmente a desenvolver uma área de suas habilidades e persistem em fortalecer a capacidade-chave da força mental requerida para ser o melhor naquilo que fazem, e esta atitude está ao seu alcance também. Pense positivo, pense que você pode, e tome a iniciativa.

    Céus azuis!

    • Leitura Dinâmica e Memorização

      Preencha aqui seus dados

    © Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus