Power Point com Carteirinha


Se Jesus usasse PowerPoint, não teria discípulos. Não se contam histórias emocionantes com ele.

Revista Veja - por Cláudio de Moura Castro

PowerPoint era o invento que faltava. Permite projetar na parede o que antes era colocado em garranchos escritos no quadro-negro. Fim do pó de giz. Fim da perda de tempo esperan­do o professor escrever. Viva o império das cores, dos desenhos elegantes, dos sons, dos hipertextos (com YouTube e animações). Fim das falhas de me­mória, pois, uma vez benfeito, dura para sempre. Mas, se necessário, corrigimos em segundos. Para a sucata o retroprojetor, que precisava de ajudante pa­ra passar seus acetatos caros, que não aceitavam cor­reções, que caíam no chão e se misturavam. Só que, na prática, costuma ser um desastre. Cruzes! Lá vem um PowerPoint chatíssimo! Mas no escurinho, inde­cisa entre ouvir e ler, a prateia cochila. Aliás, está proibido em cada vez mais empresas e no Exército americano falar-se de "morte por PowerPoint". Os erros se repetem, começando com o congestiona­mento visual. Cores demais, borboletas, plin-plins, acordes dramáticos, dese­nhos de mau gosto, pleto­ra de caracteres tipográfi­cos conflitantes, informa­ções periféricas à aula, logotipos e outros balangandãs. Depois vem o ex­cesso de informações e de slides, sobrecarregados com textos intermináveis. Culmina com o erro fatal: o texto lido! Como lemos cinco vezes mais rápido do que o professor fala, passamos à sua frente. Ou seja, o pobre professor levou para a aula um concor­rente que tomou a sua cena, pois já lemos o texto e não escutamos mais o que ele diz.

Há uma regra clássica: se alguém que não assis­tiu à aula recebe o PowerPoint e o entende, está er­rado por excesso. Os slides terão arruinado a aula, arrancando-a do professor e deixando desgovernada a atenção da plateia, Aliás, se é para ler, o que faz lá o conferencista? O texto dos slides deve ser apenas um recurso mnemônico, para fixar os conceitos men­cionados e para criar a arquitetura mental das princi­pais ideias. Que fique claro: o PowerPoint não subs­titui nem o professor nem as leituras. O que ele subs­tirui é o quadro-negro! Ele é um resumo e, bem sabe­mos; não se aprende em resumos. Serve para fixar na memória as grandes ideias. Para aprender, precisa­mos dos exemplos e dos detalhes.

O PowerPoint é maravilhoso, se for bem usado. Visualmente, precisa ser de extrema simplicidade. Se a figura não vale mil palavras, lixo com ela. Já se disse, quem vê Steve Jobs e Bill Gates usá-lo apren­de tudo de que precisa. Imitemos o supremo despoja­mento de Jobs e seremos bem-sucedidos. Imitemos Gates e afundaremos na barafunda visual.

Se Jesus usasse PowerPoint, não teria discípulos, pois histórias, parábolas, contos e narrativas são enre­dos na contramão das listas mostradas nos slides. Não se contam histórias emocionantes com ele. É impos­sível narrar uma aventura com PowerPoint (vá lá pro­jetar o mapa). A sua lógica é a enumeração, e nem tudo pode ser transformado em uma lista. Para dedu­zir um teorema, mostrar uma lei da física ou fazer conexões lógicas, precisamos recorrer a gráficos ou a outra lógica de apresentação, fugindo dos "marcado­res" (bullets) enfiados goela abaixo dos usuários.

Para quem quer encontrar o bom caminho do PowerPoint, o livro Presentation Zen é a redenção. O autor nos lembra que nosso cérebro tem um hemisfério es­querdo, que cuida da razão, e um di­reito, encarregado das emoções, das evocações. Uma boa aula ativa na plateia os dois hemisférios: inspira o direito e explica ao esquerdo. E com qual hemisfério o PowerPoint vai se comunicar? Se falar ao esquerdo, da razão, vai competir com as palavras do professor. E o desastre anuncia­do. Nele, as poucas palavras são para reter na memória as idéias ouvidas, não para lançá-Ias. Portanto, sua missão deve ser evocar, inspirar, infiltrar sentimentos. Daí a impor­tância da escolha judiciosa das imagens. Melhor que sejam fotografias (abundantes no Google Images), e que se fuja, como o diabo da cruz, da Clip-art e dos desenhos humorísticos.

Diante disso tudo, só resta uma solução: exigir carteira de habilitação para usar PowerPoint. Vamos à autoescola e tiramos carteira, para reduzir o risco de atropelar uma velhinha na primeira esquina. En­tão, carteira para usar PowerPoint, para evitar que barbeiragens ponham a perder o potencial educativo de um recurso tão extraordinário, mas que pode ser usado também para confundir a plateia e mentir.

    Oratória

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus