Preparado para o Novo


Em um mercado que muda sem parar, a agilidade para aprender coisas novas virou uma habilidade valorizada.

Revista Você S/A - por Elisa Tozzi

A maior mudança de carrei­ra enfrentada pela enge­nheira paranaense Kari­me Abib, de 37 anos, foi trocar um emprego de ge­rente de qualidade e ga­rantia na Delphi, fabrican­te de autopeças, por outro, na Unilever, pa­ra ser gerente de inovação e complexida­de, responsável por reformular a imagem da marca aos olhos do consumidor. Ao fa­zer a transição do mercado automotivo pa­ra o de bens de consumo, Karime precisou entender em pouco tempo uma série de di­ferenças entre os setores e as culturas cor­porativas - além de conhecer novas pes­soas e, claro, manter o desempenho na no­va função. "Observava atentamente como meus novos colegas e chefes agiam", diz.

A capacidade de aprender rapidamente se tornou uma competência valorizada no mer­cado de trabalho. Por quê? Porque as empre­sas e os negócios vivem um período de mu­danças frequentes, no qual a bagagem de co­nhecimento que um profissional acumula na carreira nem sempre dá conta de todas as situ­ações a que ele estará exposto. A saída, então, é desenvolver um esforço de atualização per­manente, tentando dominar as novidades e as tendências do mercado e da profissão. Se­gundo o headhunter Gerson Correia, da em­presa de consultoria Talent Solution, essa ca­racterística é fundamental para crescer na car­reira. "Nas empresas, a palavra de ordem hoje é mudança. Um profissional só se desenvol­ve se conseguir se adaptar facilmente." Ro­dolfo Eschenbach, diretor da área de talentos da consultoria Accenture, em São Paulo, é da mesma opinião: "Esse profissional é cada vez mais procurado pelas empresas que precisam de gente ágil em seus quadros".

Uma das características dessa competência é saber encarar as transformações de manei­ra positiva - sem pânico e com dedicação pa­ra esquecer os próprios preconceitos e se abrir ao novo. De acordo com Fernanda Pomim, res­ponsável pela área de liderança da consultoria Korn/Ferry do Brasil, a habilidade é mais frequente em profissionais com elevado grau de autoconhecimento. "Essas pessoas conse­guem avaliar melhor os sucessos e fracassos e aprender com os erros e acertos", afirma. É possível desenvolver a característica ao lon­go da carreira. Para isso, o importante é ter vontade de encarar desafios e pedir feedback constantemente. O domínio dessa competên­cia, segundo a Korn/Ferry, também é impor­tante para cargos de liderança. "Liderar uma equipe ou ser responsável por um projeto nu­ma área na qual não se tem tanta intimidade ajuda a ampliar o aprendizado", diz Fernanda.

"Além disso, para aprender rápido é preciso ou­vir com atenção as críticas de colegas e chefes."

A habilidade de aprendi­zagem pode se manifestar em diferentes situações ­há profissionais com mais facilidade para lidar com di­versidade e outros que ofere­cem resultados maiores em momentos de estresse. Mas existem padrões de compor­tamento entre os que têm al­ta capacidade de aprender. A descoberta é dos pesquisadores Michael M. Lombardo e Robert W. Eichinger, funda­dores da consultoria de lide­rança americana Lominger, que hoje pertence à Korn/Fer­ry. A dupla analisou o com­portamento de mais de 50 executivos e descobriu que se pode dividir os profissio­nais com agilidade de apren­dizagem em quatro grandes grupos. São eles:

1 Facilidade para relacionamento

Pessoas assim desenvolvem os conhecimentos a partir do convívio com colegas e che­fes. Para elas, quanto mais diferente for o interlocutor, melhor - dessa forma descobrem como pensar de maneira diversa da que estão acostumadas. Aprender, nesse ca­so, não é urna consequência, é um objetivo, por isso esses profissionais se cercam de pes­soas com as quais possam trocar ideias. Con­viver com alguém desse tipo é enriquecedor. "Um líder que encara bem as mudanças passa tranquilidade a seus subordinados. E, co­mo gosta de trocar experiências, ajuda os fun­cionários a desenvolver a capacidade de lidar com a tensão", ensina Fernanda.

2 Rapidez em obter resultados

Os profissionais que atingem bons re­sultados mesmo em situações de estresse se encaixam neste grupo. Práticos, lembram das experiências pelas quais já passaram e de­las extraem o aprendizado que vai ajudá-los a responder às novas demandas. Eles usam a experiência como aprendizado e respon­dem aos novos desafios desenvolvendo no­vos conhecimentos. A exigência de agilidade aumenta conforme o nível hierárquico. "As decisões difíceis - como adquirir uma nova empresa para um grupo, por exemplo - esti­mulam mais essa capacidade, pois as incer­tezas crescem de acordo com a dimensão de uma decisão", diz Fernanda. Para aumentar essa habilidade não é necessário estar na alta gerência. Gerson, da Talent, dá a dica: "Fazer as tarefas corriqueiras de maneira diferente estimula o pensamento criativo".

3 Agilidade mental

Quem se sente confortável em meio à complexidade lida bem com arnbíguidades, gosta de explicar seu raciocínio para os ou­tros e tem agilidade mental. O aprendizado se dá por meio da convivência com a diversi­dade de cenários, pessoas e situações. Esse pessoal está sempre interessado em assuntos que fogem da sua área de atuação. "A pessoa se modifica com as experiências. Tudo o que vive, dentro ou fora do esc critório, serve para ampliar o repertório de conhecimento", afir­ma Fernanda. "Quando esse profissional não consegue se desenvolver no trabalho, busca vivências fora do escritório: num trabalho so­cial ou num curso completamente diferente da sua formação, por exemplo."

4 Aptidão para mudanças

Este grupo é formado por profissionais curiosos, que gostam de novidades. "Os ex­patríados normalmente têm essas caracte­rísticas, já que para ser bem-sucedido numa vivência no exterior é preciso desenvol­ler competências e se adaptar ao cargo e aos costumes locais", conta Fernanda. Essas pes­soas lidam bem com desafios e saem de sua zona de conforto tranquilamente. Mas não é preciso ir a outro país para estimular es­sas características. Fernanda explica: "Rela­cionar-se com pessoas diferentes de você e e envolver em atividades pouco familiares estirnularn o modo de pensar".

• Cheque sua agilidade

A maneira como você reage a situações no­vas e inesperadas indica seu grau de agilida­de de aprendizagem. Responda ao teste de­senvolvido pela consultoria Korn/Ferry e ava­lie como está a sua rapidez de aprendizagem.

SIM ou NÃO

(  ) Você reage positivamente diante da oportunidade de liderar um projeto, um setor, uma nova missão ou um novo grupo de colaboradores?

(  ) Você lida bem com sobrecarga de trabalho ou com tarefas complexas?

(  ) Você costuma se sair bem em situações de alto impacto (como um processo de fusão ou uma modificação drástica na chefia, por exemplo), que exijam aprender algo completamente diferente ou desenvolver novas habilidades?

(  ) Você conhece claramente seus principais pontos fortes e suas oportunidades de desenvolvimento?

(  ) Você lida bem com situações de conflito? E com criticas?

(  ) Você costuma ser bem-sucedido quando está no papel de comando?

(  ) Você tem facilidade para mudar de rumo diante de obstáculos ou de novas informações?

(  ) Você teve sucesso em grandes projetos realizados em pouco tempo e com orçamento limitado?

(  ) Você já teve êxito ao reverter situações de crise?

(  ) Em geral, você se entusiasma diante de desafios novos e complexos?

Se respondeu SIM a maioria das perguntas, anime-se!Você tem boas chances de possuir um bom nível de
agilidade de aprendizagem. Caso tenha mais respos­
tas negativas do que positivas, não se desespere:
busque entender o porquê de suas respostas e ten­
te mudar sua atitude diante de situações novas. 

    Leitura Dinâmica e Memorização

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus