Qualidade de vida: mitos da saúde


A sabedoria popular está repleta de mitos relacionados à saúde. Associar resfriado a "friagens" - Leia-se, golpes de ar ou cabelo molhado em dias frios - é um clássico. E quem nunca teve receio de cair na piscina após o almoço, por medo de indigestão?

Revista Veja - por Daniela Macedo

Recomendações repetidas geração após geração deixam de ser questionadas, ainda que os médicos não as endossem. O problema se agrava quando a história vai além de restringir hábitos e passa a prejudicar a saúde. O caso mais recente é o que atribui efeitos colaterais graves à vacinação. A polêmica começou no fim da década de 90, quando a conceituada revista científica The Lancet publicou um estudo associando a vacina tríplice viral à ocorrência de autismo. Logo depois, o estudo revelou-se uma fraude, O que resultou na cassação do registro médico de Andrew Wakefield, autor do trabalho. Apesar da retratação da revista, há dois anos, a farsa ainda afeta a decisão de pais que, equivocadamente, deixam de vacinar seus filhos. Veja o que dizem os médicos sobre oito mitos relacionados à saúde.

Mito: FRIAGEM CAUSA RESFRIADO

O que dizem os médicos: Não Gripes e resfriados são causados por vírus, não pelo frio. A tal friagem também é incapaz de afetar o sistema imunológico - apenas a má alimentação, a falta de sono e o excesso de exercícios físicos podem prejudicar as defesas do organismo de uma pessoa saudável. Outro vilão associado aos resfriados é o ar condicionado. Nesse caso, a relação está correta, mas o problema não é a temperatura, e sim a baixa umidade do ar. "O ar seco proveniente dos equipamentos resseca a mucosa das vias respiratórias, o que facilita a entrada de vírus e favorece as infecções", explica o infectologista Artur Timerman. Manter-se hidratado minimiza o problema.

Mito: VACINAS PODEM PREJUDICAR  A SAÚDE DA CRIANÇA

O que dizem os médicos: Não. "Os possíveis efeitos adversos das vacinas são conhecidos e esperados: em alguns casos, elas podem provocar dor local, mal-estar ou febre", diz o pediatra Renato Kfouri, presidente da Associação Brasileira de Imunizações (SBlm). Além da proteção individual - em mais de 90% dos casos a vacina é eficaz -, a imunização coletiva reduz o risco de epidemia. Os benefícios da vacinação são, portanto, infinitamente superiores aos efeitos colaterais. Os quais, vale repetir, de modo nenhum incluem transtornos como o autismo.

Mito: ALGUMAS PESSOAS FICAM GRIPADAS DEPOIS DE TOMAR A VACINA DA GRIPE

O que dizem os médicos: Não. "A vacina da gripe não provoca a doença, pois é desenvolvida a partir do vírus morto e fracionado", explica o presidente da SBlm, Renato Kfouri. O que acontece é que entre 15% e 20% da população apresenta reações adversas, como mal­-estar e febre - daí a confusão. "Nesses casos, não há sinais de coriza e tosse, sintomas característicos da doença. Portanto não se trata de gripe", diz o infectologista Artur Timerman.

Mito: VER TELEVISÃO NO ESCURO OU MUITO PERTO DA TELA PREJUDICA OS OLHOS

O que dizem. os médicos: Não. Não há comprovação científica de que esses hábitos causem danos aos olhos. Tampouco ler em ambiente com pouca luminosidade provoca problemas de refração, como miopia, astigmatismo e hipermetropia, que são de origem genética. "A luz traz conforto à leitura, mas o esforço exigido pela iluminação fraca não oferece risco", diz o oftalmologista Claudio Lottenberg, presidente do Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Atenção: ver TV próximo demais do aparelho pode ser, isso sim, sinal de uma miopia não corrigida, e nunca a causa do problema.

Mito: ESTALAR OS DEDOS ENGROSSA AS JUNTAS

O que dizem os médicos: Depende. Articulações engrossam em decorrência de artrose, doença degenerativa resultante de uma combinação de fatores como predisposição genética e inflamação local. Embora não provoque a doença, o hábito de estalar os dedos não é recomendado, principalmente a pessoas com maior flexibilidade nas articulações (que conseguem, por exemplo, dobrar a mão até encostar o polegar no braço). "O risco de lesionar as estruturas articulares é maior com os exercícios de impacto, mas os estalos também podem causar lesões que favorecem o desencadeamento da doença", diz José Goldenberg, reumatologista do Hospital São tuiz, em São Paulo.

Mito: ENTRAR NA PISCINA OU TOMAR BANHO LOGO APÓS A REFEiÇÃO FAZ MAL

O que dizem os médicos: Depende. O contato com a água não oferece risco - é o exercício físico que o faz. "Como a atividade física exige maior circulação de sangue na musculatura, há uma redução do fluxo sanguíneo no sistema digestivo e no cérebro", explica Alfredo Salim, clínico geral do Hospital Sírio­ Libanês. Isso pode ocasionar náusea, võmito, tontura, fraqueza e até desmaio. Portanto, embora seja arriscado nadar, um banho ou um mergulho para refrescar depois do almoço não oferecem perigo.

Mito: >O STRESS PROVOCA GASTRITE NERVOSA

O que dizem os médicos: Depende. A gastrite é a inflamação da mucosa que reveste o estômago. Entre suas principais causas estão as infecções bacterianas e o uso de medicamentos que agridem o revestimento gástrico, como anti-inflamatórios não hormonais e ácido acetilsalicílico. "A ansiedade e o stress não causam o problema, apenas acentuam os sintomas", diz o gastroenterologista Ricardo Barbuti, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Além disso, nas pessoas que apresentam dispepsia funcional - distúrbio sem causa orgânica em que a digestão gera desconforto abdominal - as situações de tensão podem aumentar a sensibilidade à dor e, consequenternente, o incômodo.

Mito: SUPLEMENTOS DE VITAMINA C PREVINEM A GRIPE

O que dizem os médicos: Depende. É verdade que o poder antioxidante da vitamina C evita que radicais livres ataquem as células de defesa do organismo. Mas uma dieta diversificada, com porçôes variadas de frutas e verduras, é o bastante para proporcionar a quantidade necessária de vitamina C, ou seja, 100 miligramas por dia. "O excesso de vitamina proveniente do suplemento será eliminado pela urina", explica o clínico geral Alfredo Salim.

• A fruta dos atletas

Nos anos 90, as bananas que o tenista Gustavo Kuerten comia nos intervalos dos jogos ajudaram a disseminar a ideia de que a fruta previne cãibras - sem falar no velho ditado segundo o qual uma banana por dia ajuda a manter distância do consultório médico. De fato, trata-se de um alimento rico em proteínas, carboidratos, vitaminas e sais minerais, mas uma dieta equilibrada deve incluir o consumo de três porções de frutas diferentes por dia. "A banana não fornece nutrientes essenciais como zinco, magnésio e cálcio, presentes em outras frutas", diz o nutrólogo Daniel Magnoni. Quanto ao poder preventivo para atletas, ela tem mesmo seus méritos. A perda de potássio que ocorre durante o exercício físico pode provocar cãibras ­portanto, por ser rica nesse mineral, a banana ajuda a prevenir o incômodo. "Como essa perda é maior quando a atividade é intensa, seu consumo é mais eficaz para atletas de alta pertormance", explica Magnoni. O problema é que a perda de potássio nâo é a única causa das cãibras: o acúmulo de ácido lático no tecido muscular também pode provocá-Ias. E, nesse caso, o efeito da banana é nulo

• Mitos do espelho

A vaidade feminina é um campo fértil para o cultivo de mitos. A dermatologista carioca Isabela Tavares, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, esclarece dúvidas sobre beleza.

- Chocolate dá espinhas?

NÃO. A acne é determinada por predisposição genética e alterações hormonais. Alguns estudos já apontaram uma possível relação entre a gordura saturada e o ômega-6 presentes no chocolate com efeitos pró-inflamatórios, o que poderia acentuar o quadro em pessoas com propensão à acne. Mas as pesquisas se mostraram inconclusivas.

- Refrigerante dá celulite?

NÃO. A predisposição genética e o hormônio estrógeno determinam a retenção de líquidos, o acúmulo de gordura e outros fatores responsáveis pela formação de celulite, praga que acomete mais de 90% das mulheres. Refrigerantes, como qualquer alimento que contenha açúcar, podem levar ao aumento de peso, o que piora o problema.

- Arrancar um fio de cabelo branco faz nascer dois?

NÃO. O cabelo branco surge com o envelhecimento das células. Os melanócitos da raiz do pelo deixam de produzir melanina, e os fios perdem o pigmento. Com o tempo, novos fios brancos vão aparecendo, quer se queira, quer não. Arrancá-Ios não interfere nesse processo.

• Alcool X antibióticos

A combinação de bebida alcoólica com antibióticos é quase um tabu. O temor de quem recusa uma taça de vinho ainda que esteja no final de um tratamento com esse tipo de medicamento costuma ser o mesmo: o álcool corta o efeito do remédio. Realmente, a associação não é recomendada pelos médicos, mas por outras razões. "O álcool não interfere na ação do antibiótico, mas a combinação de bebida alcoólica com alguns tipos de medicamento, como o metronidazol, pode resultar em efeitos adversos como taquicardia, queda da pressão arterial e dor de cabeça", explica o clínico geral Alfredo Salim, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

    Administração do Tempo

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus