Saúde física: coração sob presão


Estudo com 15 230 líderes brasileiros revela que eles comem mal e se exercitam pouco.

Revista Você S/A - por Vanessa Vieira 

Uma pesquisa realizada no ano passado pela operadora de saúde Omint com 15 230 ge­rentes e diretores revelou que os líderes brasileiros comem mal (96%), se exerci­tam pouco (44%) e, claro, estão gordos (43%). Os efeitos desse estilo desequilibrado de vida são o maior número de internações de pro­fissionais com menos de 40 anos e o aumento no consumo de medicamen­tos sob prescrição médica, conclui o estudo. Segundo a E-pharma, empresa especializada em gestão de bene­fícios de saúde, entre os medicamen­tos comercializados com receita, o segundo mais vendido aos executivos brasileiros é o Crestor, usado como regulador do colesterol - ele só per­de para o ansiolítico Rivotril. Quase um terço dos medicamentos de uso contínuo consumidos pelos líderes corporativos é usado no tratamento de problemas cardíacos e hiperten­são. São dados que revelam que o coração desses profissionais está em risco. O consultor Sérgio Skarbnik, de 56 anos, foi um dos que precisa­ram promover uma verdadeira revolução em sua forma de lidar com o trabalho em nome da saúde. Após aceitar o posto de diretor comercial de uma empresa em Israel e ter de morar longe da família, que ficou no Brasil, o ponteiro da balança bateu nos 138 quilos. "Minha válvula de escape para a ansiedade era a comi­da. Eu comia compulsivamente." Sérgio chegou a recorrer a modera­dores de apetite, mas um sinal de alerta se acendeu quando a pressão chegou a 16 por 13. Foi então que o executivo procurou a ajuda de um profissional da saúde. Ele entrou num programa de reeducação alimentar, adotou uma rotina de exercícios físi­cos e, principalmente, mudou sua forma de administrar o tempo e lidar com o trabalho. Em um ano e meio, Sérgio perdeu 55 quilos, sua pressão se regularizou e ele mantém o peso há cinco anos. Para lidar com situa­ções de estresse, que exigem reação imediata, nosso organismo produz hormônios como a adrenalina e o cortisol. Eles elevam a pressão arte­rial e aceleram os batimentos cardíacos, adaptações que preparam o corpo para enfrentar um perigo ou escapar dele. Essa adaptação fisioló­gica tem ajudado os humanos a pre­servar a espécie. O problema é que essas alterações metabólicas, que deveriam ser passageiras, tornaram­ se crônicas em pessoas expostas diariamente a um ambiente de tra­balho estressante, como é o caso dos executivos. "Os níveis alterados de colesterol, ácido úrico e triglicérides aceleram o processo de obstrução dos vasos do coração, um quadro que pode levar à morte", diz Carlos Al­berto Pastore, cardiologista do Incar, em São Paulo. Como se vê, perpetuar as longas jornadas, com pouco sono e ausência de atividade física, leva a um único lugar - e não é para o topo da pirâmide corporativa.

    Administração do Tempo

    Preencha aqui seus dados

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus