Centenários com memória extraordinária têm córtex cerebral mais espesso


Revista Scientific American

Enquanto a maioria dos idosos com mais de 80 anos sofre per­das cognitivas perceptíveis, existe uma "elite" que conserva até perto dos 100 anos memória equivalente à de pessoas de 50. A neurologista Emily Rogalski, da Universidade Northwestern, em Chicago, registrou, por meio de ressonância magnética tridimersional, neuroimagens de 12 superagers, como ela se refere a ess população, e descobriu uma diferença anatômica em seu cére­bro: um córtex mais espesso. Essa região é associada à memó­ria, à concentração e a outras habilidades cognitivas sofisticadas!

"O córtex de pessoas com mais de 80 anos é geralmente mais tênue, mas, nos superagers, tem espessura semelhante ao de pessoas de meia-idade", diz Emily. Em artigo publicado no Journal of Neuropsychological Society, ela explica que identificar os mecanismos envolvidos na aparente proteção contra a perda de matéria cinzenta, natural no processo de envelhecimento, pode ajudar a desenvolver novas intervenções para preservar capacidades cognitivas e combater sintomas de doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer. "Podemos dizer que a espessura corti­cal oferece uma medida indireta da saúde do cérebro. Um córtex mais denso sugere que há mais neurônios funcionando", explica a neurologista, que também identificou outra parte mais espesso no cérebro desses idosos: o córtex cingulado, ligado à concen­tração. "Isso é surpreendente, pois a atenção suporta a memória - e essa habilidade é "afiada" nos superagers", observa.

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus