Estudo questiona uso de soja na menopausa


Consumo de suplementos com o vegetal não reduz sintomas e até piora os fogachos, diz pesquisa americana.

Jornal Folha de São Paulo - por Mariana Versolato

Alimento é visto como alternativa à reposição hormonal, que aumenta o risco de doenças, como câncer de mama. Ingerir suplementos de so­ja para reduzir os sintomas da menopausa, como a per­da óssea, não funciona e po­de até piorar as ondas de calor, segundo um estudo nor­te-americano. A soja contém isoflavonas, uma classe de fitoestrógenos semelhantes ao hormônio feminino estrogênio, cuja pro­dução cai na menopausa.

Desde a publicação do es­tudo WHI (Women Health"s Initiative), que mostrou que a terapia de reposição hormo­nal aumenta os riscos de cân­cer da mama e doenças car­diovasculares, as prescrições de hormônio sintético caíram e as mulheres passaram a re­correr à soja. Agora, uma pesquisa da Universidade de Miami, pu­blicada no "Archíves of Inter­nal Medicine", descarta a so­ja como alternativa eficaz.

As voluntárias do estudo tinham entre 45 e 60 anos e estavam na menopausa há cerca de cinco anos. Um grupo de 122 mulheres tomou comprimidos de 200 mg de isoflavonas todos os dias durante dois anos. Outras 126 participantes ingeri­ram placebo. Nenhuma sabia o que estava tomando. Não foi observada melho­ra na perda óssea nos dois grupos, e grande parte das que tomaram os suplemen­tos de soja ainda relataram piora nas ondas de calor.

• Eficácia e segurança

Segundo César Fernandes, presidente da Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo, o estudo endossa outras evidências que já apontavam nessa direção. "Desde 2002, quando a re­posição hormonal ficou mui­to fragilizada, procura -se uma alternativa, e a que ga­nhou muitos adeptos é a que usa isoflavonas", afirma. Mas; diz Fernandes, os re­sultados mostram que o efei­to não supera o do placebo. O ginecologista diz ainda que não há garantias de que a isoflavona não aumente o risco de câncer de mama. "As pessoas acham que a isoflavona é inócua, e que a terapia hormonal é pior por­ que é sintética. Muitos médi­cos e pacientes compraram a ideia de que a soja é eficaz! mas não há evidências de que ela seja "inocente"."

A ginecologista Adriana Orcese Pedro, professora da Unicamp, diz que os estudos sobre a soja são controversos. Ela é uma das autoras de uma pesquisa publicada em 2008, que mostrou que a so­ja e a reposição hormonal têm eficácia semelhante. Pedro afirma que os bene­ficios da soja dependem da idade, da intensidade dos sin­tomas, da quantidade ingeri­da e do nível de absorção da isoflavona de cada mulher. "Funciona para algumas, mas para outras, não. Por is­so, não orientamos a comer soja para aliviar os sintomas da menopausa."

Ricardo Meirelles, vice­-presidente do departamento de endocrinologia feniinina da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabolo­gia, diz que o estudo mostra que não dá para importar experiências de outros países. "Mulheres orientais têm menos sintomas de meno­pausa, mas não é só porque elas comem mais soja. Há fa­tores como alimentação e ge­nética, entre outros."

• Funciona ou não?

- O que a soja tem

Ela tem efeito farmacológico porque contém proteínas e isoflavonas, uma classe de substâncias "imitadoras" do hormônio feminino estrogênio, que apresenta queda na menopausa.

- O que o estudo mostra

Suplementos de isoflavona não reduziram sintomas da menopausa, como perda óssea (que leva a fraturas), ondas de calor e secura vaginal.

 - Outras opções de tratamento

Terapia de reposição hormonal

É a primeira linha de tratamento para aliviar sintomas graves da menopausa.

Ressalvas: Aumenta o risco de câncer de mama e de doenças cardiovasculares

Antidepressivos

 

São indicados para quem não pode fazer reposição hormonal por causa de histórico de câncer de mama, diabetes ou hipertensão descontrola­dos, risco de trombose e doença hepática grave.

Ressalvas: Podem levar a ganho de peso, boca seca, altera­ções do sono e da libido e constipação intestinal.

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus