Hábitos Errados Levam à Ressaca


Beber de estômago vazio e descuidar da idratação contribuem para começar o ano com mal-estar. Quando o álcool não encontra alimento, fica mais agressivo; intercalar seu consumo com o de água, sucos ou água de coco ajuda.

Jornal Folha de São Paulo - por Rachel Botelho

Assim como as sementes de romã, o ritual de pular sete on­das e os fogos de artifício, para muita gente a ressaca faz parte da tradição de Ano- Novo. Inge­rir bebidas alcoólicas de estô­mago vazio e sem o devido acompanhamento de água ou sucos é a garantia para começar o ano com sintomas como dor de cabeça, enjoo, diarreia, ton­tura e mal-estar, segundo aler­tam os especialistas.

"Quando o álcool não encon­tra alimento, fica mais agressi­vo. Por isso, desde os tempos da Bíblia se toma vinho durante as refeições", afirma o psiquiatra Arthur Guerra de Andrade, do Grea (Grupo de Álcool e Drogas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

A ressaca é uma resposta do organismo ao excesso de álcool. "Independentemente da quan­tidade e da frequência com que se consome, que varia de pes­soa para pessoa, ela ocorre quando há mau uso da substân­cia", afirma Andrade,

O segredo para começar bem o novo ano é beber o mínimo possível, manter a hidratação - intercalando bebidas alcoóli­cas com água, sucos de frutas ou água de coco - e nunca inge­rir bebidas alcoólicas com o es­tômagonvazio,

Mulheres, orientais e idosos devem ter atencão redobrada. Diferenças nas enzimas que metabolizam o álcool etílico tornam esses grupos mais sen­síveis aos efeitos da bebida.

• Mitos

1 - Ressaca se cura com um copo de cerveja.

Do ponto de vista médico, é um erro. De fato, pode aliviar o mal-estar momentaneamente, porque os sintomas da ressaca são semelhantes aos da abstinência alcoólica e porque a cerveja contém magnésio, mineral que se perde com a ingestão de álcool. Mas trata-se de um ciclo vicioso: ao beber, perde-se mais líquido, o que leva a nova perda de minerais.

2 - Tomar comprimidos efervescentes evita a ressaca.

Geralmente, a fórmula desses comprimidos. inclui antiácido, anti­inflamatório e analgésico, o que pode aliviar principalmente a dor de cabeça. Mas os malefícios da ingestão de álcool e os sintomas cognitivos, como sonolência e perda de reflexos, não passam com o remédio. Pessoas com doença ulcerosa, gastrite e problemas
relacionados à digestão não devem tomar esses comprimidos - nem bebidas alcoólicas.

3 - Café corta a bebedeira.

A cafeína é um estimulante do sistema nervoso central e, por isso, acaba revertendo um dos efeitos do álcool: a sonolência. Isso não quer dizer, entretanto, que a pessoa esteja liberada para dirigir depois de ingerir álcool e tomar café. Até recuperar os reflexos e eliminar todo o etanol do corpo, são necessárias de 8 a 24 horas.

4- Misturar fermentado e destilado piora a ressaca.

Além da suscetibilidade individual, dois fatores agravam a ressaca: o volume de álcool etílico ingerido e a opção por bebidas com mais congêneres - substâncias como metanol, essências e aldeídos. Vinho, principalmente os de baixa qualidade, e uísque causam mais estragos que vodca ou gim. Como regra geral, quanto mais colorida e aromática a bebida, o que indica a presença de congêneres, pior a ressaca. O fato de tomar um ou mais tipos de bebida não influencia.

• Dicas

ANTES

- Beba com moderação ou não beba
- Alimente-se bem antes e durante a bebedeira 
- Mantenha-se bem hidratado, intercalando um copo de água, de suco ou de água de coco com a ingestão de bebidas alcoólicas 
- Alimentos ricos em gordura, como nozes e castanhas,demoram para ser digeridos,o que retarda a absorção de álcool e diminui a ressaca

DEPOIS

- Não adianta tomar remédio,glicose, café nem banho gelado 
- Dormir ou descansar, ingerir líquidos não alcoólicos e alimentos ricos em carboidratos - que trazem energia rapidamente e ajudam a recuperar o nível glicêmico­ são o melhor antídoto

• Caminho do álcool no organismo

1-  A bebida é ingerida
2 - Desce pelo esôfago
3 - Cai no estômago. O álcool começa a ser digerido, mas a maior parte... 
4 - ...chega intacta ao duodeno. O álcool é absorvido e cai na corrente sanguínea 
5 - O sangue circula pelo corpo e chega ao... 
6 - ... fígado. Os hepatócitos (células do fígado) metabolizam o álcool, quebrando suas moléculas em partes menores. Quando há álcool em excesso, os hepatócitos não dão conta de metabolizar tudo, e o etanol volta a circular pela corrente sanguínea, por onde retorna ao fígado e é metabolizado novamente. Parte é absorvida e transformada em glicogênio e energia 
7 -  As moléculas quebradas são eliminadas pela respiração, pela evaporação (suor) e pela urina

•  Bexiga deve ser esvaziada antes de viagem

Parece lenda urbana, mas tem embasamento científi­co. É, sim, recomendável ir ao banheiro antes de sair de carro, moto ou bicicleta por­ que, em caso de acidente, o risco de a bexiga estourar e causar uma infecção genera­lizada (sepse) é muito maior.

Quando vazia, a bexiga si­tua-se atrás do púbis, osso lo­calizado acima da região ge­nital. Ao se encher, a estrutu­ra fica mais tensa - exata­mente como os balões de festas - e ultrapassa os limites do púbis em direção ao um­bigo, o que facilita um rompi­mento em caso de impacto no abdômen.

"Quando a bexiga está va­zia, o osso da bacia pode se romper e perfurar o órgão. Mas, quando cheia, ela pode romper e deixar a urina ex­travasar para dentro da cavi­dade abdominal mesmo com traumatismo de menor im­pacto e sem fratura do osso", explica o urologista Celso Gromatzky, do Hospital Sírio-Libanês.

A máxima vale para via­gens longas e curtas - mes­mo em grandes cidades, é in­teressante fazer trajetos de bexiga vazia. "Num caso de traumatismo severo, não vai evitar, mas em um de menor impacto, isso previne a rup­tura de bexiga", diz.

Se houver explosão de be­xiga, o paciente não vai uri­nar, uma situação que não costuma passar despercebi­da. Mas pode haver perfura­ções tamponadas, em que a urina escapa aos poucos e pode demorar a ser notada. "Se isso não for percebido logo, a urina pode se infectar por bactérias e causar sepse."

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus