Ligando os Pontos


Revista Scientific American

Na hora de desenhar um rosto tomando por base as próprias recordações, o funcionamento cerebral recorre à memória dos jogos infantis em que se ligam os pontos numerados até obter uma figura completa. A analogia se baseia em resultados de um estudo em que o cérebro de um voluntário foi observado por meio de técnicas de neuroimageamento enquanto desenhavam as faces antes do teste. As imagens revelaram como a informação foi capturada pela sequência de movimentos oculares, processada como coordenadas espaciais nas regiões frontal e parietal do cérebro, onde elas foram convertidas num plano de ação que finalmente guiou o s movimentos dos olhos e das mãos ao longo da execussão  do desenho. A importância do estudo está em descrever como a informação sensorial é usada para direcionar ações, nesse caso sem formar uma imagem mental do produto final, já que durante  o processo não houve ativação do córtex visual. o artigo foi publicado na revista Cortex.

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus