“Mapas” cerebrais ajudam na orientação espacial


Revista Scientific American

As pessoas se orientam com a ajuda de esquemas cogni­tivos, nos quais células neurais específicas são responsá­veis pelo reconhecimento de locais e distâncias. Recentemen­te, pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, em Fila­délfia descobriram pela primeira vez neurônios cuja atividade mostra em que direção fica o ponto final de um movimento.

O neurocientista Joshua Jacobs e seus colegas traba­lharam com pacientes epiléticos, implantando-Ihes finos eletrodos no cérebro para obter um diagnóstico mais exato do foco epilético. Assim, os neurologistas puderam registrar os sinais de cada célula no córtex e no hipocampo, uma região que tem, entre outras funções, participar da memória espacial. Durante os testes, os voluntários dirigiram um táxi virtual até locais estipulados em um percurso circular no mo­nitor do computador. Quanto mais a pessoa tinha de virar para a direita para olhar para a direção planejada, mais certas células corticais se agitavam. Outros neurônios, por sua vez, se fortaleciam quando o movimento era para a esquerda.

Experimentos com ratos confirmaram a existência de outros tipos de células de navegação cujos sinais indicam, por exemplo, a distância a ser percorrida até certo local. Neurônios do hipocampo, porém, reagem apenas quando nos encontramos em determinado lugar. Segundo Jacobs, os novos resultados indicam que o córtex processa as infor­mações espaciais em um nível mais abstrato, enquanto o hipocampo as associa a espaços concretos.

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus