Obesidade já mata mais gente do que fome


Estudo sobre a saúde da humanidade revela que o excesso de peso já é um problema maior que a subnutrição.

Revista Superinteressante - por Salvador Nogueira e Bruno Garattoni

Um trabalho gigantesco, produzido por 500 cientis­tas de 300 instituições - que analisaram 187 países ao longo das últimas quatro décadas. É o Global Burden of Disease ("Peso Global das Doenças"), que acaba de ser publicado e é o maior estudo já realizado sobre a saúde da humanidade. Ele traz duas grandes conclu­sões. A boa é que a expectativa de vida aumentou em praticamente todo o mundo, e as mortes relaciona­das à subnutrição caíram de 3,4 milhões, em 1990, para 1,4 milhão em 2010, último ano analisado pelo estudo. Em 1990, a subnutrição era a doença com maior "peso", ou seja, aquela que mais tirava anos de vida saudável da humanidade. Agora, ela despencou para oitavo lugar. Mas a obesidade, eis a má notícia, subiu de décimo para sexto - e a má alimentação, com uma dieta pobre em nutrientes, aparece em quinto (os quatro maiores fatores de risco são pressão alta, tabagismo, uso de álcool e poluição). "As dietas pobres em frutas, verduras e grãos integrais têm impacto surpreen­dente", escrevem os autores do estudo.

A pesquisa constatou que, entre 1990 e 2010, a expectativa de vida global dos ho­mens subiu de 62,8 para 67,5 anos, e a das mulheres subiu de 68,1 para 73,3. Ou seja: as mulheres ampliaram em seis meses a vantagem que levam sobre os homens.

Mas nem todos os países evoluíram. Na Bielorússia, os homens perderam 1,4 ano por causa do aumento no consumo de álcool. E Lesoto, na África, viu sua ex­pectativa de vida desabar - regrediu 12,2 anos entre os homens e 14,7 entre as mu­lheres - devido à epidemia de Aids.

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus