Quem Gosta de Estudar Não é Admirado no Brasil


Jornal Folha de S.Paulo

Guo Qiang Hai, 48, físico chinês que mora em São Carlos (SP) desde 1993, veio para o Brasil sem conhecer ninguém, atrás de uma bolsa na Universidade Federal de São Carlos. Desde 2003 é professor da USP. Adora o país, mas está preocupado.

Tem uma filha de um ano com uma brasileira e acha que as escolas que ela vai frequentar não são tão boas quanto as chinesas.

“Na China a escola é em tempo integral, o aluno sempre volta com tarefa. Se precisar, ele estuda no sábado.”

Para Hai, a escola chinesa não é melhor apenas que a brasileira. Ele tem outra filha, que estudava na China até o ano passado. Com dificuldades em matemática, tinha um professor particular.

Quando a menina se mudou com a mãe (também chinesa) para a Austrália, se tornou a melhor da turma na matéria. “Todos falam para ela "nossa como você é inteligente”, conta Hai, rindo.

Além de o professor chinês ganhar bem, os alunos respeitam. Existe uma cultura que valoriza o conhecimento. Aqui não é bem assim. Na TV, parece que só se admira quem participou do Big Brother, tem dinheiro, é modelo. A sociedade não põe na cabeça das crianças que elas têm de estudar.”

Isso se reflete na qualidade da pesquisa brasileira, diz Hai. Ainda assim, ele diz que a valorização da ciência tem melhorado: “Em São Paulo, não falta financiamento”.

Para o pesquisador é estranho sofrer pouca cobrança. “O docente aqui é funcionário público, não tem tanta pressão como nos EUA ou na China. Aqui existem muitos que se dedicam dia e noite, mas quem não faz nada continua na universidade.”

Existem problemas, mas é preciso ressaltar as qualidades do país, diz. “As pessoas são legais, é fácil fazer amizade. Eu gosto muito, gosto do clima. Só português eu achei meio complicado”, brinca.

Hai acompanha com otimismo as notícias de seu país. “Quando saí da China para a Europa, em 1988, ela era bem fechada. Hoje mudou muito. Ainda não existem jornais particulares, a TV é estatal. Mas você pode falar com os seus amigos o que quiser. Não é que nem a gente vê na televisão aqui.”

Diz se impressionar com o crescimento econômico chinês. “Todo mundo está querendo ficar rico. Deus é grana”, brinca. “Se você tem dinheiro, faz o que quiser.”

© Copyright 2020 - Todos os direitos reservados à Methodus